Nota pública da Presidência do Senado

Da Redação | 25/05/2016, 08h16 - ATUALIZADO EM 25/05/2016, 09h32

A assessoria da Presidência do Senado divulgou nota pública nesta quarta-feira (25) referente a informações divulgadas na imprensa envolvendo o presidente da Casa, Renan Calheiros. Eis a íntegra da nota:

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) tem por hábito receber todos aqueles que o procuram. Nas conversas que mantém, habitualmente, defende com frequência pontos de vista e impressões sobre o quadro. Todos os pontos de vista, evidentemente, dentro da Lei e da Constituição Federal.

Todas as opiniões do senador foram publicamente noticiadas pelos veículos de comunicação, como as críticas ao ex-presidente da Câmara dos Deputados, a possibilidade de alterar a lei de delações para, por exemplo, agravar as penas de delações não confirmadas e as notícias  sobre delações de empreiteiras foram, fartamente, veiculadas. A defesa pública de uma solução parlamentarista também foi registrada em vários artigos e colunas e o próprio STF pautou o julgamento do tema. O Senado, inclusive, pediu sua retirada da pauta.

Em relação ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), o senador Renan Calheiros se desculpa porque se expressou inadequadamente. Ele se referia a um contato do senador mineiro que expressava indignação – e não medo – com a citação do ex-senador Delcídio do Amaral.

Os diálogos não revelam, não indicam, nem sugerem qualquer menção ou tentativa de interferir na Lava Jato ou soluções anômalas. E não seria o caso porque nada vai interferir nas investigações.

Assessoria de Imprensa

Presidência do Senado Federal

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:
PMDB Senador Renan Calheiros

Senado Agora
13h38 CPI da Pandemia: Randolfe Rodrigues (Rede-AP) perguntou por que o Ministério da Saúde não decide pelo uso excepcional da vacina Sputnik V, da Rússia. Para Queiroga, não há consenso amplo a respeito do imunizante, nem no âmbito da OMS.
13h34 CPI da Pandemia: Eduardo Braga (MDB-AM) cobrou um cronograma definitivo da vacinação no país. "Já ouvimos inúmeras previsões não correspondidas", disse. Queiroga respondeu que a agenda é atualizada semanalmente a partir de uma série de variáveis.
13h13 CPI da Pandemia: Questionado por Eduardo Girão (Podemos-CE) sobre "tratamento precoce”, Queiroga não deu sua opinião e disse que o ministério elaborará protocolo clínico e diretriz terapêutica que serão colocados à discussão em consulta pública.
Ver todas ›