Vacina contra zika vai demorar, afirma diretora de laboratório

Da Redação | 25/02/2016, 15h01 - ATUALIZADO EM 25/02/2016, 16h46

A diretora médica da América Latina do Sanofi Pasteur, Lúcia Bricks, afirmou nesta quinta-feira (25) que o desenvolvimento da vacina contra o vírus Zika não será tão rápido como todos gostariam. A médica, que participou da sessão temática do Senado sobre o assunto nesta quinta-feira (25), lembrou que a Anvisa autorizou recentemente a vacina contra a dengue, que tem eficácia na faixa etária de 9 a 45 anos, após muitos estudos, que começaram em 1994.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 15 laboratórios públicos e privados estão envolvidos atualmente na busca de uma vacina contra o vírus. O Sanofi Pasteur, de origem francesa, é um dos atenderam a convocação da OMS.

Lúcia Bricks considerou "uma bobagem" a associação do uso de vacinas com o surto de zika. Um dos boatos difundidos sobre microcefalia é o de que a doença teria sido causada por um lote vencido de vacina contra rubéola aplicado em gestantes no Nordeste. Para a médica, é um boato sem qualquer fundamento.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)