Cerimonial finaliza preparativos para posse de Dilma Rousseff

Da Redação | 29/12/2014, 14h08 - ATUALIZADO EM 30/12/2014, 11h04

Equipes de cerimonial do Palácio do Planalto, do Congresso Nacional e do Itamaraty finalizam os ajustes para a posse da presidente Dilma Rousseff na quinta-feira (1º). Em ensaio realizado no domingo (28), foi feita simulação dos percursos que a presidente eleita fará no dia da posse, com alternativas para o caso de chuva.

Dilma deve deixar o Palácio da Alvorada às 14h15, em carro fechado, em direção à Catedral Metropolitana de Brasília. Às 14h45, já no Rolls-Royce conversível presidencial, segue pela Esplanada dos Ministérios até a rampa do Congresso Nacional. O vice-presidente eleito, Michel Temer, segue em outro carro logo atrás, acompanhado da esposa, Marcela Temer.

Os eleitos sobem a rampa do Congresso acompanhados dos chefes do cerimonial do Senado e da Câmara, margeados pelos Dragões da Independência. No alto da rampa, Dilma e Temer são recebidos pelos presidentes do Senado, Renan Calheiros, e da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves.

Já dentro do Congresso, caminham até o Plenário da Câmara dos Deputados e, no trajeto, se encontram com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, que também deverá compor a Mesa da cerimônia, ao lado dos eleitos e dos presidentes do Senado e da Câmara.

Parlamentares, líderes partidários e chefes de Estado convidados para a cerimônia estarão sentados nas cadeiras no Plenário, e os demais convidados, como embaixadores e membros de delegações estrangeiras, ficarão nas galerias.

Compromisso

Renan Calheiros abrirá a sessão e conduzirá os trabalhos para que a presidente eleita e seu vice-presidente prestem o compromisso constitucional. São feitas a leitura e a assinatura do termo de posse, sendo então executado o Hino Nacional, pela Banda dos Fuzileiros Navais.

Após dar posse aos eleitos, Renan concederá a palavra a Dilma Rousseff, que fará um pronunciamento no qual deverá apontar as prioridades para seu segundo mandato.

Finalizada a cerimônia de posse, a presidente segue para o gramado em frente ao Congresso e, como comandante-chefe das Forças Armadas, passará em revista as tropas da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, sendo ainda homenageada com uma salva de 21 tiros.

Dilma embarcará novamente no Rolls-Royce presidencial e seguirá para o Palácio do Planalto, para subir a rampa e se dirigir ao Parlatório. Como não haverá transmissão da faixa presidencial, por se tratar de reeleição, ela poderá receber a faixa do cerimonial ou já chegar ao Parlatório com a faixa no peito, para então fazer o discurso à população.

O público poderá acompanhar a cerimônia dos gramados ao lado do Congresso Nacional e também na Praça dos Três Poderes, em frente ao Palácio do Planalto.

Até o momento, previsões meteorológicas indicam uma tarde de sol para o dia 1º, mas, caso chova, todo o roteiro externo da cerimônia será alterado. O desfile pela Esplanada dos Ministérios pode ser suspenso, e a chegada de Dilma ao Congresso não será pela rampa, mas pelo Salão Branco, conhecido como Chapelaria. Com chuva, também a salva de tiros será cancelada, e a revista às tropas, ao final da cerimônia, será feita na Chapelaria.

Celebração

À noite, Dilma Rousseff receberá convidados para um coquetel no Palácio do Itamaraty. Está confirmada a presença de 27 chefes de Estado e de 66 delegações estrangeiras. Entre os chefes de Estado presentes devem estar a presidente do Chile, Michelle Bachelet, e os presidentes do Uruguai, José Mujica, e da Venezuela, Nicolás Maduro, além do vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e do primeiro-ministro da Suécia, Stefan Löfven.

O Partido dos Trabalhadores anuncia, em sua página na internet, a realização de shows musicais em palco montado na Esplanada dos Ministérios, para celebrar o início do segundo mandato de Dilma Rousseff.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:
Congresso Nacional Reeleição

Senado Agora
16h43 Acordo com o Japão: Aprovado o acordo entre Brasil e Japão na área de assistência administrativa e cooperação aduaneira (PDL 568/2019). Texto vai à promulgação.
16h39 CPI da Pandemia: Após Reguffe (Podemos-DF) cobrar perspectiva de vacinação para cidadãos fora dos grupos de risco, ministro Queiroga respondeu que cumprimento do calendário prioritário já trará grande proteção da população como um todo.
16h39 Aulas presenciais: Aprovada a realização de sessão de debate para discutir a estratégia nacional para o retorno seguro às aulas presenciais e instruir a votação do PL 5.595/2020, que classifica a educação presencial como essencial.
Ver todas ›