Demóstenes Torres deixa o Democratas

Teresa Cardoso | 03/04/2012, 17h10

O senador Demóstenes Torres (GO) enviou carta ao presidente e líder do DEM no Senado, José Agripino (RN), comunicando sua desfiliação da legenda. Ele optou por não enfrentar o desgaste de um processo de expulsão do Democratas, já que está sendo investigado por suposta ligação criminosa com Carlos Augusto Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso sob acusação de explorar o jogo ilegal em Goiás.

A carta foi entregue por dois assessores, pouco depois do meio-dia desta terça-feira (3), no gabinete de José Agripino. O líder partidário estava reunido com integrantes do Democratas exatamente para abrir o processo da expulsão de Demóstenes Torres. O partido fica agora com quatro senadores.

Em um dos trechos da carta, Demóstenes diz: “Embora discordando frontalmente da afirmação de que tenha me desviado reiteradamente do programa partidário, mas diante do prejulgamento público que o partido fez, comunico minha desfiliação do Democratas.”

O senador Demóstenes Torres (DEM-GO) perdeu a confiança de seu partido ao deixar de apresentar explicações exigidas pela cúpula do DEM quanto às denúncias de envolvimento com Cachoeira. Ele havia sido convocado para uma reunião na noite de segunda-feira (2) com a cúpula do DEM, mas não compareceu. O Democratas então comunicou-o oficialmente da instauração de processo ético disciplinar com vistas à sua expulsão.

O DEM esperava esclarecimentos de Demóstenes em relação a um relatório da Polícia Federal contendo registros de centenas de telefonemas comprometedores entre o senador e Cachoeira. Fartamente noticiado pela imprensa, o conteúdo do relatório originou inquérito em curso no Supremo Tribunal Federal (STF). Há ligação em que Demóstenes pede o pagamento de despesas pessoais e outras em que recebe instruções de Cachoeira sobre como agir em relação a projetos de lei e ações judiciais.

Em carta enviada ao senador goiano, Agripino afirma que há “destacados indícios” do envolvimento de Demostenes com Cachoeira, preso pela Polícia Federal por ocasião da Operação Monte Carlo, destinada justamente a investigar um esquema que operava com jogo do bicho e máquinas caça-níqueis, por exemplo. Para o DEM, o resultado dessas apurações revelou “estreita relação” entre Demóstenes e o “citado contraventor”.

- O Senado está em xeque, a classe política como um todo também está. Mas quem mais está em xeque é a conduta partidária do Democratas, que não convive com a perda do padrão ético. Por essa razão é que nós estamos oficiando ao senador Demóstenes Torres que, por desvio reiterado de conduta partidária, nós estamos abrindo um processo de expulsão – afirmou Agripino.

A direção do partido chegou a informar que o processo deveria ser aberto mediante uma provocação do DEM Jovem, presidido por Henrique Sartore. Ele assinaria uma representação pedindo à executiva partidária que expulsasse Demóstenes. A carta de Demóstenes chegou quando Agripino estava reunido com integrantes do partido em seu gabinete, preparando-se para anunciar quem seria o relator do processo. Ao chegar para a reunião, o líder do Democratas na Câmara, ACM Neto (BA), afirmou:

- Vamos nos reunir agora para, exatamente, fechar em torno do nome que vai ser escolhido para relatar o processo na executiva nacional do partido.

Veja as íntegras da carta enviada pelo presidente do Democratas a Demóstenes Torres e da carta com a resposta do senador por Goiás.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE: