Senadores discutem prazo para análise de MPs

04/05/2017, 10h03 - ATUALIZADO EM 04/05/2017, 13h47

Antes da aprovação da Medida Provisória 752/2016, que permite a prorrogação e relicitação de contratos de parceria nos setores de transporte, na quarta-feira (3), os senadores tiveram que resolver um impasse em Plenário: votar ou não a MP, que veio da Câmara dos Deputados e chegou ao Senado apenas um dia antes de perder a validade. Alguns senadores, como Ronaldo Caiado (DEM-GO), foram contrários à decisão do vice-presidente do Senado, senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), de colocar o texto em votação. Caiado lembrou que, até o ano passado, havia um acordo entre a Mesa e os líderes partidários de não apreciar medidas provisórias que estivessem a menos de sete dias para vencer. O Plenário só decidiu dar andamento à votação da MP após o senador Aécio Neves (PSDB-MG) anunciar que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, havia se comprometido a colocar em votação naquela Casa a proposta de emenda à Constituição que altera o rito de apreciação das medidas provisórias no Congresso (PEC 11/2011). Detalhes na reportagem de Paula Groba, da Rádio Senado.



Opções: Download