Comissão de Relações Exteriores vota na terça nova lei para estrangeiros

Sergio Vieira | 11/12/2014, 17h23 - ATUALIZADO EM 12/12/2014, 13h59

O presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), marcou para terça-feira (16) a votação do Projeto de Lei do Senado (PLS) 288/2013, do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), que regula a entrada de estrangeiros no Brasil.

A nova lei resultante da proposta vai revogar parte do Estatuto do Estrangeiro (Lei 6.815/1980), criticado por Ferraço, que é o relator da matéria na CRE.

— Não sei o que é mais grave. Se o atual Estatuto do Estrangeiro, fruto de uma visão preconceituosa do regime militar, ou se a inércia das autoridades que durante todo o período pós-ditadura ainda não fez a adequação óbvia desta Legislação — disse.

As Comissões de Assuntos Sociais (CAS) e de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJ) já aprovaram parecer ao projeto que, se for aprovado na CRE, poderá seguir para a Câmara dos Deputados, sem passar pelo Plenário do Senado.

Aumento da imigração

A situação dos imigrantes no Brasil foi tema da audiência pública desta quinta-feira (11), na Comissão de Relações Exteriores, requerida pelo senador Ricardo Ferraço para obter subsídios sobre o assunto.

Parlamentares e convidados manifestaram a preocupação com o aumento da imigração e do número de refugiados que chegam ao Brasil. Segundo dados da ONU, esses números dispararam nos últimos quatro anos. O total de pessoas de 81 nacionalidades diferentes pedindo refúgio no país cresceu 1.255%. De acordo com a Polícia Federal, desde 2010 cerca de 40 mil haitianos conseguiram entrar no nosso território.

— O Brasil é percebido hoje como uma "terra de oportunidades", e não só por latinos, mas também por pessoas da Africa e até da Ásia — disse o Secretário Nacional de Justiça do Ministério da Justiça, Paulo Abrão, durante a audiência.

Ele acrescentou que, além de buscar melhores condições de vida, eles fogem de conflitos. Outro dado fornecido pelo secretário é que 20% dos refugiados que estão em solo brasileiro vêm da Síria.

Falta de infraestrutura

Paulo Abrão admitiu que o país ainda não tem infraestrutura para atender essas pessoas. Por isso estão sendo estabelecidas parcerias com os estados mais atingidos, como Acre e São Paulo, visando a construção de centros de Atendimento.

Durante a reunião a representante da Cáritas, Vivian Holzhacker, pediu ao Governo que conceda a todos os estrangeiros o tratamento preferencial que tem dado aos imigrantes do Haiti, que enfrentam menos burocracia para receberem o visto permanente, por razões humanitárias.

Já a representante do Centro de Direitos Humanos e Cidadania do Imigrante, Tania Bernuy, solicitou a alteração do artigo do projeto de Aloysio Nunes que prevê incentivo à admissão de mão de obra especializada.

— Favorecer a mão de obra especializada é institucionalizar a imigração seletiva, é uma política discriminatória — justificou Bernuy.

Também participou da audiência o procurador dos Direitos do Cidadão no Ministério Público, Aurélio Veiga. Ele defende a aprovação do projeto de Aloysio Nunes, alegando que o atual Estatuto do Estrangeiro tem uma filosofia totalmente contrária ao espírito democrático da Constituição de 88.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

MAIS NOTÍCIAS SOBRE:

Senado Agora
13h11 Impeachment: O presidente do STF e do processo, Ricardo Lewandowski, suspendeu a sessão. A retomada foi prevista para ocorrer às 14h10.
13h10 Impeachment: Ao concluir os argumentos, José Eduardo Cardozo fez apelo aos senadores para aceitarem a proposta de Dilma Rousseff de convocação de plebiscito. Se está se julgando o "conjunto da obra", o povo é que deve decidir, alegou.
13h03 Impeachment: “Não há ato omissivo, nem comissivo, não há dolo, não há má fé”, afirmou José Eduardo Cardozo em defesa de Dilma Rousseff. Ele disse que todas as decisões do TCU foram aplicadas retroativamente para os decretos e as “pedaladas”.
Ver todas ›