Educação

Ministro da Educação diz que universidades federais voltarão a receber recursos assim que economia retomar crescimento

02:41Ministro da Educação diz que universidades federais voltarão a receber recursos assim que economia retomar crescimento

Transcrição LOC: O MINISTRO DA EDUCAÇÃO AFIRMOU NO SENADO QUE OS RECURSOS PARA AS UNIVERSIDADES NÃO FORAM CORTADOS, MAS TEMPORARIAMENTE SUSPENSOS PARA CUMPRIR A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL. LOC: ELE PREVIU A RETOMADA DOS INVESTIMENTOS QUANDO A ECONOMIA MELHORAR. A REPORTAGEM É DE FLORIANO FILHO: (Repórter) O ministro da Educação, Abraham Weintraub, apresentou as diretrizes e prioridades para o setor durante mais de uma hora na audiência pública da Comissão de Educação do Senado. Ele exibiu vários gráficos e estatísticas para afirmar que o Brasil gasta muito e gasta mal com educação. A Coreia do Sul foi um dos países com os quais ele comparou várias vezes a situação brasileira. A educação sul-coreana gasta menos em relação ao PIB, mas tem resultados muito melhores. Segundo Weintraub, os valores estão invertidos no Brasil. Deu como exemplo o fato de se gastar apenas com professores aposentados do ensino superior praticamente o mesmo que com todo o ensino básico. Segundo o ministro, o País deveria investir mais no ensino fundamental e conquistar melhores resultados no cenário internacional. Ele afirmou que o Brasil gasta mais do que todos os vizinhos, mas está atrás de quase todos no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes, o PISA. Também disse que os recursos estão muito concentrados em Brasília e defendeu o aumento dos repasses para os municípios. O Senador Randolfe Rodrigues, do Rede Sustentabilidade do Amapá, protestou contra os cortes nas universidades federais. O senador Jean Paul Prates, do PT do Rio Grande Norte, também criticou os cortes, inclusive por eles irem além do ensino superior. (Jean Paul Prates) Como é que acontece isso se nós estamos aqui diante de um bloqueio ou corte na educação básica já anunciado de 2,4 bilhões? Como é essa troca de um lado para o outro se todos estão sendo cortados e até em proporções bem parecidas? (Repórter) O ministro Weintraub explicou que não se trata de corte. O que existe, segundo ele, é um contingenciamento por conta da fragilidade econômica. Ele disse que é necessário cumprir a lei de responsabilidade fiscal. (Abraham Weintraub) Não é corte (...). É contingenciamento. Se a gente conseguir passar a Previdência e voltar a arrecadação, volta o orçamento.(...) Eu tenho que obedecer as leis e a Constituição. (Repórter) O ministro afirmou que as universidades podem continuar executando os gastos normalmente até outubro. Só depois é que os contingenciamentos poderão se tornar permanentes se não houver recuperação econômica. Ele disse que recebeu vários reitores nos últimos 30 dias e que irá continuar dialogando.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, apresentou as diretrizes e prioridades para o setor durante mais de uma hora na audiência pública da Comissão de Educação do Senado. O senador Jean Paul Prates (PT-RN) criticou os cortes que atingiram tanto o ensino superior, como o ensino básico. O ministro explicou que não se trata de corte. O que existe, segundo ele, é um contingenciamento por conta da fragilidade econômica. Ele disse que que as universidades podem continuar executando os gastos normalmente até outubro. A reportagem é de Floriano Filho.

TÓPICOS:
Amapá  Aposentados  Brasília  Constituição  Coreia do Sul  Economia  Educação  Ensino Básico  Ensino Superior  Investimentos  Lei de Responsabilidade Fiscal  Municípios  Orçamento  PIB  Previdência  Professores  PT  Rede  Rede Sustentabilidade  Senador Jean Paul Prates  Senador Randolfe Rodrigues  Sustentabilidade 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo