Barragens

Senadores vão a Barão de Cocais para conferir providências sobre barragem em risco

02:38Senadores vão a Barão de Cocais para conferir providências sobre barragem em risco

Transcrição LOC: A COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE OUVIU DO MINISTRO DE MINAS E ENERGIA AS PROVIDÊNCIAS QUE ESTÃO SENDO TOMADAS DIANTE DO RISCO IMINENTE DE ROMPIMENTO DE OUTRA BARRAGEM EM MINAS GERAIS. LOC: OS SENADORES VÃO A BARÃO DE COCAIS NESTA SEXTA-FEIRA CONFERIR A SITUAÇÃO DOS MORADORES E AS INICIATIVAS PARA REDUZIR OS DANOS. REPÓRTER BRUNO LOURENÇO. (Repórter) A Vale confirmou que o talude norte da mina Gongo Soco, na região de Barão de Cocais, em Minas Gerais, está se movendo rapidamente e deve entrar em colapso até o sábado. O talude, que é uma encosta que dá sustentação às minas, está escorregando no buraco. Essa movimentação deverá provocar abalos que podem até mesmo romper a barragem Sul Superior, localizada um quilômetro e meio abaixo. O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, falou que 139 das 424 barragens de rejeitos no País já foram fiscalizadas neste ano. Segundo ele, 49 foram interditadas, inclusive a que está ameaçada agora pelo colapso do talude na mina Gongo Soco. O presidente da Comissão de Meio Ambiente, Fabiano Contarato, da Rede Sustentabilidade do Espírito Santo, quis saber se o descomissionamento, ou encerramento, da Barragem de Barão de Cocais, desativada desde 2016, não poderia ter sido acelerado. (Fabiano Contarato) Caso tivesse sido descomissionada não estaríamos aqui reunidos. Pergunta-se: em vista dessas informações que providências Ministério adotou para induzir a vale ao descomissionamento da barragem de Barão de Cocais. E outra coisa, se a esse serviço de monitoramento de movimentação em tempo real, essa interferometria por radar, por que isso não foi feito anteriormente para evitar que outros desastres ocorram? (Repórter): O ministro respondeu que a Agência Nacional de Mineração publicou resolução neste ano endurecendo as exigências de monitoramento. Albuquerque destacou também que a ANM proibiu novas barragens de mineração "a montante" em todo o território nacional e o descomissionamento das já existentes até 2023. (Bento Albuquerque) Eu não sei, sinceramente, em que em que estágio se encontrava se encontra Barão de Cocais. O fato é, como eu disse, o descomissionamento também é uma atividade de risco e que tem que ter um planejamento bastante apurado. E no momento agora não se pode nem fazer o descomissionamento porque não pode nem ter a presença. Agora só se monitora e se adota medidas para que esse dano seja minimizado. (Repórter) Os senadores da Comissão de Meio Ambiente vão acompanhar em Barão de Cocais a operação de assistência aos moradores da região e contenção de danos por conta de eventual rompimento da barragem da mina do Gongo Soco.

A Comissão de Meio Ambiente ouviu do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, as providências que estão sendo tomadas diante do risco iminente de rompimento de outra barragem em Minas Gerais. O presidente da CMA, Fabiano Contarato (Rede-ES), informou que o colegiado promove nesta sexta diligência externa a Barão de Cocais para conferir a situação dos moradores e as providências para reduzir os danos.  A reportagem é de Bruno Lourenço, da Rádio Senado.

TÓPICOS:
Comissão de Meio Ambiente  Energia  Espírito Santo  Meio Ambiente  Minas Gerais  Mineração  Rede  Rede Sustentabilidade  Senador Fabiano Contarato  Sustentabilidade  CMA 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo