Entenda como é feita a Coronavac, primeira vacina contra covid-19 aplicada no Brasil — Rádio Senado
Vacinação

Entenda como é feita a Coronavac, primeira vacina contra covid-19 aplicada no Brasil

A CoronaVac, vacina contra o novo coronavírus produzida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech, e testada no Brasil pelo Instituto Butantan, segue um padrão diferente das vacinas da Pfizer e da AstraZeneca e foi criada com base no próprio vírus inativado, estratégia mais comum para imunizantes. O repórter Pedro Pincer tem os detalhes.

20/01/2021, 18h41 - ATUALIZADO EM 22/01/2021, 14h49
Duração de áudio: 02:13
Foto: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo

Transcrição
LOC: MÉTODO USADO NA PRODUÇÃO DA CORONAVAC É CONSIDERADO TRADICIONAL E SEGURO LOC: IMUNIZANTE DO INSTITUTO CHINÊS SINOVAC UTILIZA A TÉCNICA DO CHAMADO “VÍRUS INATIVADO”. O REPÓRTER PEDRO PINCER TEM OS DETALHES: (Repórter) A CoronaVac, vacina contra o novo coronavírus produzida pelo laboratório chinês Sinovac e testada no Brasil pelo Instituto Butantan, segue um padrão diferente das vacinas da Pfizer e da AstraZeneca e foi criada com base no próprio vírus inativado, estratégia mais comum para imunizantes. Segundo dados divulgados pelo Instituto Butantan, ela é 50,38% eficaz – estando quase 0,4 pontos percentuais acima dos 50% de eficácia pedidos para a aprovação de uma vacina no mundo todo. Para desenvolver a vacina, os cientistas criaram uma cultura do coronavírus em laboratório, deixando-o inativado para a aplicação em pacientes. É o que explica a infectologista Heloisa Ravagnani (Heloisa Ravagnani) Eles pegam o vírus, colocam em cultura, no meio de células, e quando tem um monte de células ali presentes eles inativam esse vírus com processos físicos ou químicos, mas ele mantém as características, que uma vez inoculado no organismo da gente na forma de vacina, ele vai estimular a produção de defesas nossas. (Repórter) Os testes para estudos clínicos com a CoronaVac começaram em julho do ano passado em 8 estados. O estudo foi realizado com 13.060 voluntários, todos profissionais da saúde e expostos diariamente à covid-19. Metade do grupo recebeu placebo e a outra metade tomou a vacina. Desde o início dos estudos, 252 pessoas foram infectadas: 167 do grupo placebo e 85 que tomaram a vacina. Entre os vacinados, não houve nenhum caso grave e nem moderado. O infectologista Marcelo Daher diz que o imunizante é seguro e chega para salvar vidas (Marcelo Daher) Até 100% de diminuição de internação e gravidade de doença, com pouquíssimos efeitos colaterais, vai ajudar a gente e salvar vidas, que eu acho que é o mais importante. (Repórter) A aplicação da CoronaVac ocorre em duas doses, sendo a segunda entre 14 e 28 dias após a aplicação da primeira.

Ao vivo
00:0000:00