Projeto

Alessandro Vieira quer garantir medicamentos necessários para pacientes transplantados

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) quer assegurar o fornecimento de todos os medicamentos necessários para transplantes pelo SUS. Um projeto de lei nesse sentido determina que os pacientes do sistema público de saúde tenham acesso aos medicamentos necessários para minimizar riscos de rejeição do órgão doado. A reportagem é de Marcella Cunha.

11/01/2021, 18h16 - ATUALIZADO EM 11/01/2021, 18h16
Duração de áudio: 02:03
Foto: Pedro França/Agência Senado

Transcrição
LOC: A INTERRUPÇÃO NO FORNECIMENTO DE UM MEDICAMENTO NECESSÁRIO PARA A REALIZAÇÃO DE TRANSPLANTES DE MEDULA GEROU UM ALERTA PARA PACIENTES EM TODO O PAÍS. LOC: NO SENADO, UM PROJETO PARA GARANTIR O FORNECIMENTO CONTÍNUO DE TODOS OS REMÉDIOS NECESSÁRIOS AOS TRANSPLANTES NO SUS SERÁ APRESENTADO PELO SENADOR ALESSANDRO VIERA. A REPORTAGEM É DE MARCELLA CUNHA (Repórter) O senador Alessandro Vieira, do Cidadania de Sergipe, quer garantir que os pacientes transplantados pelo SUS recebam toda a medicação necessária antes e após o procedimento. (Alessandro Vieira) Pelo Brasil afora faltam medicamentos sem os quais o transplantado corre o risco de perder o órgão que recebeu e ter complicações severas na sua saúde. (Repórter) A falta do medicamento Bussulfano, utilizado antes do transplante de medula óssea, tem preocupado os cerca de 5 mil pacientes que aguardam na fila para fazer o procedimento. O único laboratório autorizado pela Anvisa a comercializar o remédio no Brasil anunciou que a fábrica será fechada. O medicamento é essencial para o sucesso do transplante porque destrói as células doentes e prepara o organismo para receber as células do doador. Segundo a fábrica, o estoque no Brasil é suficiente para todas as operações até junho. Alessandro Vieira espera uma tramitação rápida da proposta para assegurar o fornecimento do remédio o quanto antes. (Alessandro Vieira) Trata da garantia de medicamentos essenciais para que não se desperdice todo o trabalho, todo o custo de uma cirurgia de transplantes. A gente espera que esse projeto seja rapidamente pautado e tramite com sucesso no Congresso Nacional. (Repórter) A falta de outro medicamento fundamental para os transplantes de rins, fígado e coração também tem sido denunciada à imprensa. O imunossupressor tacrolimo é responsável por evitar a rejeição de órgãos, mas está em falta em estados como Acre, Paraíba, Pernambuco e Sergipe. Sem o remédio, o paciente corre o risco de perder o órgão transplantado após grande espera na fila por um doador compatível. Segundo o Ministério da Saúde, o remédio é distribuído a cada três meses para os estados de acordo com a demanda informada pelas secretarias de saúde. Para Alessandro Vieira, é dever do Congresso Nacional garantir que os pacientes do sistema público de saúde tenham o pleno acesso a esses medicamentos.

Ao vivo
00:0000:00