Alessandro Vieira defende obrigatoriedade de remédios para transplante no SUS — Rádio Senado
Saúde

Alessandro Vieira defende obrigatoriedade de remédios para transplante no SUS

O senador Alessandro Vieira (Cidadania–Sergipe) apresentou uma proposta para garantir o fornecimento contínuo de todos os medicamentos utilizados em pacientes transplantados pelo SUS. Ele lembrou que a falta de imunossupressores pode levar a rejeição de órgãos e comprometer o sucesso do procedimento. A reportagem é de Marcella Cunha, da Rádio Senado.

06/01/2021, 18h57 - ATUALIZADO EM 06/01/2021, 18h57
Duração de áudio: 00:54
Foto: Agência Brasil

Transcrição
LOC: O SENADOR ALESSANDRO VIEIRA PROPÔS QUE O SUS FORNEÇA TODOS OS REMÉDIOS NECESSÁRIOS PARA A REALIZAÇÃO DE TRANSPLANTE PELO SUS. LOC: HÁ RELATOS DE INDISPOBILIDADE DE REMÉDIOS NECESSÁRIOS ANTES DO PROCEDIMENTO E TAMBÉM NA FASE PÓS-TRANSPLANTE. A REPORTAGEM É DE MARCELLA CUNHA TÉC (0105C05 – Marcella – Alessandro 00:54) O projeto determina que o SUS disponibilize de forma contínua todos os medicamentos imunossupressores necessários para a realização de transplantes pelo SUS. O autor da proposta, senador Alessandro Vieira, do Cidadania de Sergipe, defende que a indisponibilidade desses remédios coloca em risco todo o tratamento, após grande espera na fila por um doador compatível. Secretarias de saúde estaduais têm denunciado à imprensa a falta de um medicamento chamado tracrolimo, utilizado em pacientes submetidos a transplantes de rins e fígado, que evita a rejeição de órgãos. A falta do medicamento Bussulfano, utilizado antes do transplante de medula óssea, também tem chamado a atenção das autoridades. O único laboratório que comercializa o remédio no Brasil anunciou que vai parar a distribuição porque a fábrica encerrou as atividades.

Ao vivo
00:0000:00