Economia

IFI completa 4 anos

A Instituição Fiscal Independente do Senado Federal completou 4 anos. A IFI foi criada em 2016 para assessorar o Legislativo a tomar decisões sobre projetos de lei e políticas públicas por meio de relatórios e notas técnicas sobre os principais indicadores fiscais e econômicos. O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) diz que a instituição se consolidou como referência no Brasil e até mesmo internacionalmente. A reportagem é de Bruno Lourenço, da Rádio Senado.

01/12/2020, 13h24 - ATUALIZADO EM 01/12/2020, 13h24
Duração de áudio: 02:49
Reunião para revisão dos cenários macroeconômicos e fiscais elaborados pela Instituição Fiscal Independente (IFI). 

À mesa:
analista da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado Federal, Rafael Bacciotti;
analista da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado Federal, Alexandre Andrade;
diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado Federal, Felipe Salto, em pronunciamento;
diretor da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado Federal, Josué Pellegrini.

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado
Foto: Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado/Arquivo

Transcrição
LOC: A INSTITUIÇÃO FISCAL INDEPENDENTE DO SENADO FEDERAL COMPLETOU 4 ANOS COM APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIOS SOBRE AS CONTAS DO PAÍS. LOC: A IFI FOI CRIADA PARA ASSESSORAR O LEGISLATIVO A DECIDIR SOBRE PROJETOS DE LEI E POLÍTICAS PÚBLICAS POR MEIO DE RELATÓRIOS E NOTAS TÉCNICAS SOBRE OS PRINCIPAIS INDICADORES FISCAIS E ECONÔMICOS. REPÓRTER BRUNO LOURENÇO. Téc: Apesar de vinculada e mantida pelo Senado Federal, os estudos produzidos pela Instituição Fiscal Independente são públicos e cada vez mais ganham credibilidade e repercussão nacional. O primeiro texto produzido pela IFI, em fevereiro de 2017, apontou, por exemplo, que o governo deveria fazer um contingenciamento de quase quarenta bilhões de reais para cumprir a meta fiscal. Medida que acabou sendo tomada semanas depois pelo governo de Michel Temer. Em junho deste ano, a IFI alertou que a execução de gastos reservados para o enfrentamento da pandemia estava baixo, na casa de 28%, e o dado chamou a atenção da imprensa e de parlamentares. Tasso Jereissati, senador do PSDB do Ceará, diz que a criação da Instituição Fiscal Independente talvez tenha sido o passo institucional mais importante dado pelo Senado nos últimos anos. (Tasso): Hoje passou a ser referência. Quando queremos ter informação mais precisa e de credibilidade e confiança consultamos a IFI. Virou referência nacional, os bancos consultam, as instituições financeiras do Brasil inteiro também e até internacionalmente. (Repórter): O diretor-executivo da IFI, Felipe Salto, afirmou que a credibilidade da instituição é construída por meio de notas técnicas e relatórios confiáveis. E a parceria com a imprensa é importante para que essas informações cheguem de maneira descomplicada para o maior número de pessoas. (Felipe): A imprensa é muito importante para que comunique de maneira simples os trabalhos que as instituições fiscais independentes ao redor do mundo elaboram. Para que chegue a população. O papel de uma IFI é como uma espécie de “watch dog”, de cão de guarda, diferente do TCU que tem poder judicante. As IFIs têm o poder de mostrar projeções, informações que possam colaborar para a disciplina fiscal e para a transparência das contas públicas do País. (Repórter): A IFI é composta por 3 diretores, sendo um indicado pelo presidente do Senado e os outros dois pelas Comissões de Fiscalização e Controle e de Assuntos Econômicos para mandato de quatro anos, não sendo permitida a recondução. Após a sabatina na comissão, o nome do indicado ainda tem que ser aprovado no Plenário do Senado. Os diretores só podem ser exonerados em caso de renúncia, condenação judicial transitada em julgado ou processo administrativo disciplinar, ou por voto de censura aprovado pela maioria absoluta dos membros do Senado Federal. Da Rádio Senado, Bruno Lourenço.

Ao vivo
00:0000:00