Trabalho

Desemprego bate recorde e atinge 14,1 milhões de pessoas

O desemprego no Brasil saltou para uma nova taxa recorde de 14,6% no trimestre encerrado em setembro, afetando 14,1 milhões de pessoas, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Mensal, a PNAD Contínua, divulgada elo IBGE. O índice é o maior da taxa histórica, desde 2012. O senador Carlos Viana (PSD-MG) vê sinais de recuperação da economia, o que deve reaquecer o mercado de trabalho. Já o senador Paulo Paim (PT-RS) culpa o governo federal pelo aumento do desemprego. Os detalhes com o repórter Pedro Pincer.

30/11/2020, 18h04 - ATUALIZADO EM 30/11/2020, 18h04
Duração de áudio: 02:31
Foto: marica.rj.gov.br

Transcrição
LOC: DESEMPREGO BATE RECORDE E ATINGE 14,1 MILHÕES DE PESSOAS LOC: SEGUNDO O IBGE, A TAXA DE DESOCUPAÇÃO CHEGOU A 14,6% NO TERCEIRO TRIMESTRE, A MAIOR DA SÉRIE HISTÓRICA INICIADA EM 2012.. REPÓRTER PEDRO PINCER: TÉC: O desemprego no Brasil saltou para uma nova taxa recorde de 14,6% no trimestre encerrado em setembro, afetando 14,1 milhões de pessoas, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Mensal, a PNAD Contínua, divulgada pelo IBGE. Na comparação com o trimestre anterior, houve aumento de 1,3 ponto percentual. Isso significa que mais 1,3 milhão de pessoas entraram na fila em busca de um trabalho no país O índice de 14,6% é o maior da taxa histórica, desde 2012. A população ocupada no Brasil encolheu 1,1% em 3 meses, para 82,5 milhões de pessoas, também o patamar mais baixo da série histórica. Em 12 meses, o país perdeu 11,3 milhões de postos de trabalho, considerando todas as formas de atuação no mercado. Segundo a analista da pesquisa, Adriana Beringuy, apesar das perdas, os números mostram um cenário melhor do que no trimestre passado (Adriana Beringuy) Agora no terceiro trimestre a queda na ocupação corresponde cerca de dez por cento da queda ocorrida no segundo trimestre, mostrando aí que embora o cenário ainda seja de perdas, essas perdas, essas perdas estão sendo menores do que as registradas anteriormente O senador Carlos Viana, do PSD mineiro, disse que os empresários esperam até o último instante para demitir ou contratar funcionários, já que desligar, contratar e treinar pessoal é caro. Viana vê sinais de recuperação econômica, o que, segundo ele, vai aumentar o número de empregos: (Carlos Viana) É que a economia está sendo reativada, isso significa que nós voltamos à produção e que muito breve também o emprego voltará em nosso país e as taxas de desemprego vão ficar reduzidas. (REP): Já o senador Paulo Paim, do PT gaúcho, pediu a prorrogação do auxílio emergencial e o décimo quarto salário para aposentados e pensionistas. Ele responsabilizou o governo federal pelo aumento do desemprego. (Paulo Paim) Sob a justificativa de gerar emprego, aprovaram terceirização, reforma trabalhista e da Previdência. Reduziram direitos, o resultado está aí! A taxa de desemprego atingiu o recorde de 17,9% no Nordeste, o maior número entre as regiões. O Sul teve a menor taxa: 9,4%. Da Rádio Senado, Pedro Pincer

Ao vivo
00:0000:00