Senado faz campanha contra discriminação de pessoas com deficiência — Rádio Senado
Pessoas com Deficiência

Senado faz campanha contra discriminação de pessoas com deficiência

O capacitismo é a atitude preconceituosa contra as pessoas com deficiência por não se encaixarem no padrão corporal tido como perfeito ou ideal. É comum que as pessoas pensem que não têm preconceito, afinal, têm colegas de trabalho e amigos com deficiência. No entanto, existem várias situações em que, sem a intenção de discriminar, pode-se agir de forma capacitista. Os detalhes com o repórter Pedro Pincer, da Rádio Senado.

06/11/2020, 11h47 - ATUALIZADO EM 06/11/2020, 18h27
Duração de áudio: 03:20
Foto: Reprodução

Transcrição
LOC: SENADO FAZ CAMPANHA PARA COMBATER O CAPACITISMO LOC: TRATA-SE, POR EXEMPLO DA ATITUDE PRECONCEITUOSA CONTRA AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA POR NÃO SE ENCAIXAREM NO PADRÃO CORPORAL TIDO COMO IDEAL. O REPÓRTER PEDRO PINCER TEM OS DETALHES: (Repórter) Você já disse a alguém, que apesar de ter uma deficiência, a pessoa superou os obstáculos e venceu na vida? Parabenizou pessoas sem deficiência por se relacionarem com pessoas que tenham alguma? Ficou surpreso com o fato de uma pessoa com deficiência ter um diploma profissional, ser casada, ter filhos, ter um bom emprego? Cuidado, você está sendo capacitista! O capacitismo é a atitude preconceituosa contra as pessoas com deficiência por não se encaixarem no padrão corporal tido como perfeito ou ideal. É comum que as pessoas pensem que não têm preconceito, afinal, têm colegas de trabalho e amigos com deficiência. No entanto, existem várias situações em que, sem a intenção de discriminar, pode-se agir de forma capacitista. Um exemplo é quando se questiona a necessidade de banheiros adaptados ou vagas reservadas em estacionamentos, dando a entender que são um privilégio. Outra situação bem comum é dizer a uma pessoa que ela está tão bem ou é tão bonita, que nem parece que tem alguma deficiência, ou que você a admira porque ela vive como se fosse uma pessoa normal. A senadora Mara Gabrilli, do PSDB de São Paulo, que é tetraplégica, lamenta que muitas vezes as pessoas com deficiência sejam rotuladas por possíveis limitações. (Mara Gabrilli) O capacitismo erroneamente define a pessoa pela sua deficiência, mas a pessoa é muito mais do que aquele impedimento físico, sensorial, intelectual ou mental. Essa discussão é muito importante, chega em um momento bastante preocupante, em que estamos vivenciando um desmonte das políticas para a pessoa com deficiência. (Repórter) Para Mara Gabrilli, que foi relatora da Lei Brasileira de Inclusão quando foi deputada, é muito importante que as pessoas com deficiência tenham os direitos conhecidos (Mara Gabrilli) A Lei Brasileira de Inclusão, ela reforça o direito de participação plena da pessoa com deficiência na sociedade, o combate à discriminação e a acessibilidade como um direito fundamental. (Repórter) Marina Batista tem amiatrofia muscular espinhal tipo 2. Criadora de conteúdo e ativista contra o capacitismo, ela diz que qualquer mudança nesse aspecto passa por cobrança e informação. (Marina Batista) O combate ao capacitismo de dá desde o momento em que você cobra estrutura ao momento que você procura se informar sobre por que a sua faculdade não tem uma pessoa com deficiência ainda ou o que as pessoas com deficiência necessitam. É parar para se questionar porque no seu contexto social elas não estão presentes. (Repórter) Segundo ela, as pessoas com deficiência não podem ser lembradas apenas na discussão de políticas públicas e propostas destinadas exclusivamente a esse público. (Marina Batista) Quando você está pensando em questões de saúde, segurança pública, questões econômicas, você está pensando também a respeitos das pessoas com deficiência, você não pode esquecer desse recorte da população, porque isso afeta profundamente as pessoas com deficiência. (Repórter) O dia internacional da pessoa com Deficiência é comemorado em 3 de dezembro e a campanha do Senado deve ir até o dia 6. Da Rádio Senado, Pedro Pincer

Ao vivo
00:0000:00