Brasil plural: para falar de intolerância


JS em números

Dados básicos do Jovem Senador 2016 - perfis alunos e professores

 

Breve comparativo dos principais números – atualizado em 25/11/1016

Escolas aptas a participar

Escolas participantes

Porcentagem de participação

Total de alunos mobilizados

Total de professores mobilizados

Total de redações recebidas pela escola

2015

2016

2015

2016

2015

2016

2015

2016

2015

2016

2015

2016

18.871

18.852

1.658

1.654

8,80

8,79

267.244

282.240

6.045

6.525

84.769

113.880

 

Dados principais de 2016:

  • Participação das escolas: 8,79% (1.658 de um total de 18.852)
  • 113.880 redações recebidas (aumento de 34%)
  • 6.525 professores orientadores (aumento de 8%)
  • 282.240 alunos mobilizados (aumento de 6%)

Estados com mais escolas aptas a participar:

  • São Paulo: 3.984
  • Minas Gerais: 2.239
  • Paraná: 1.504
  • Rio de Janeiro: 1.102
  • Rio Grande do Sul: 1.089

    Estados de maior participação no Jovem Senador 2016:

    • 1º Alagoas: 76,96% (foi de 43,63% em 2015)
    • 2º Rio Grande do Norte: 55,94% (foi de 37,41% em 2015)
    • 3º Acre: 37,88% (foi de 12,6% em 2015)
    • 4º Amapá: 25,93% (foi de 13,89% em 2015)
    • 5º Distrito Federal: 23,60% (foi de 17,98% em 2015)

       

      Proposições Legislativas originadas no Jovem Senador:

      42 Proposições apresentadas de 2011 a 2015

      Ano

      SUG

      PEC

      PLS

      Arquivadas

      Total

      2011

      -

      02

      17

      02

      21

      2012

      -

      -

      06

      -

      06

      2013

      -

      -

      05

      01

      06

      2014

      01

      -

      04

      01

      06

      2015

      01

      -

      01

      01

      03

      201603---03

      Total

      05

      02

      33

      05

      45

      • 45 proposições apresentadas desde a primeira edição
      • 05 proposições foram arquivadas
      • 40 proposições em tramitação
        • 05 SUG
        • 02 PEC
        • 33 PLS

       

      Projetos aprovados no Senado e encaminhados à Câmara dos Deputados:

      • PLS 185/2012 – “Altera a Lei nº9.394, de 20.12.1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para assegurar a presença de professores devidamente qualificados nas redes públicas de ensino”.
      • PLS 467/2012 – “Altera a Lei nº9.394, de 20.12.1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incumbir o sistema de ensino a identificar os estudantes de baixo rendimento e prover-lhes plano de recuperação.
      • PLS 426/2015 – “Dispõe sobre o serviço de assistência a estudantes de ensino médio da rede pública para ingresso em cursos superiores e no mercado de trabalho”.

       

      Perfil dos Jovens Senadores de 2016

      Origem:

      • 74% dos alunos são de cidades do interior do país (20).
      • 26% dos alunos são de capitais, a maior parte da Região Norte (AC, AP, AM, PA, RR, DF, MS).

      Gênero:

      • 55% dos alunos são do sexo feminino (15)
      • 45% dos alunos são do sexo masculino (12)

      Idade:

      • A média de idade é de 17 anos.
      • 4% tem 19 anos
      • 52% tem 17 anos
      • 18% tem 16 anos
      • 15% tem 18 anos
      • 11% tem 15 anos

      Nível de escolaridade:

      • 89% faz o Ensino Médio Regular
      • 11% faz o Ensino Médio Técnico (PA, PR, SP)
      • 67% estão cursando o terceiro ano do Ensino Médio
      • 19% estão no segundo ano
      • 7% estão no primeiro ano
      • 7% estão no quarto ano (curso técnico)

      Cursos de preferência:

      • Direito (26%)
      • Medicina/Saúde (26%)
      • Engenharia (14%)
      • Ciência e Tecnologia (11%)
      • Jornalismo (7%)

      Presença em Redes Sociais:

      • Facebook: 78%
      • Instagram: 33%
      • Snapchat: 11%
      • Não estão em nenhuma rede: 11%

      Participa de Projetos Sociais em sua comunidade:

      • 41% dos alunos afirma participar de algum projeto social como voluntário.

      Participa de outros Projetos de Educação para a Cidadania:

      • Cerca de 19% afirma participar ou já ter participado de projetos de educação para a cidadania.

      Deseja atuar em atividade político-partidária:

      • 15% afirma querer ingressar na vida política (GO, PB, PR, SC).

       

      Perfil dos Professores Orientadores de 2016

      Origem:

      • 74% dos professores são de cidades do interior do país (20).
      • 26% dos professores são de capitais, a maior parte da Região Norte (AC, AP, AM, PA, RR, DF, MS).

      Gênero:

      • 78% são do sexo feminino
      • 22% do sexo masculino

      Faixa Etária:

      • De 20 a 29 anos: 11% (3)
      • De 30 a 39 anos: 41% (11)
      • De 40 a 49 anos: 26% (7)
      • De 50 a 59 anos: 22% (6)

       

      Nível de Escolaridade:

      • Ensino Superior: 27
        • 96% é formado em Letras (26)
        • 4% é formado em História (1)
        • 11% tem mais de um curso de Nível Superior (3)
        • 7% dos professores também são formados em Direito (2)
      • Pós-graduação: 11 (41%)
        • Docência do Ensino Superior
        • Ensino de Línguas
        • Estudos linguísticos
        • Gênero e Diversidade na Escola
        • Gestão Escolar
        • Letras
        • Metodologia da Pesquisa
        • Psicopedagogia, Literatura e Língua Portuguesa
      • Mestrado: 03 (11%)
        • Letras: linguística e transculturalidade
        • Letras e linguística aplicada.
        • Comunicação, linguagem e cultura

       

      Tempo de Magistério:

      • Até 5 anos: 7%
      • De 6 a 10 anos: 26%
      • De 11 a 20 anos: 41%
      • De 21 a 30 anos: 19%
      • Acima de 31 anos: 7%

       

      Descritivo dos Dados:

      Em 2016, o Jovem Senador segue no seu processo de consolidação e atinge quase 9% de participação das escolas.

      Em sua 6ª edição, o Projeto recebeu 113.880 redações, um crescimento de 34% em relação à edição anterior, e mobilizou 282.240 estudantes matriculados no ensino médio de escolas públicas estaduais e do Distrito Federal em todo o país, com até 19 anos, um aumento de 6% se comparado a 2015.

      A participação dos professores orientadores também registrou um aumento de 8% em relação a 2015 e contou com a atuação direta de 6.525 professores orientadores.

       

      Dos Jovens Senadores

      O perfil dos alunos finalistas mudou um pouco em 2016, com a participação quase paritária de alunos do sexo feminino (55%) e do sexo masculino (45%). A participação dos homens cresceu 12% desde a última edição e infere-se que o motivo principal tenha sido a eleição de um tema ligado ao esporte – “Esporte: educação e inclusão”, que despertou mais o interesse dos rapazes.

      A maior parte dos estudantes (74%) vem de cidades do interior do país (20 alunos) e apenas 26% são das capitais dos Estados brasileiros (7 alunos). Entre elas, a maior parte é da Região Norte – Rio Branco/AC, Macapá/AP, Manaus/AM, Belém/PA, Boa Vista/RR e do Centro-Oeste – Campo Grande/MS e Brasília/DF.

      A maior parte dos alunos tomou conhecimento do Projeto Jovem Senador em sua escola (89%) e os demais ficaram sabendo da iniciativa pelas Redes Sociais (4%), por ex-jovens senadores (4%) e por outros meios (3%).

      Em 2016, a média geral de idade dos alunos participantes subiu de 16 para 17 anos (52%). O segundo maior grupo é dos estudantes com 16 anos, cerca de 18%. A presença de alunos mais jovens (15 anos) ficou em 11%, enquanto a dos estudantes mais velhos é de 4% para os que tem 19 anos e 15% para o que estão com 18 anos.

      Quanto ao nível de escolaridade, 67% está no terceiro ano do Ensino Médio, já se preparando para o ingresso na Universidade. A maior parte (89%) faz o ensino médio regular e 11% frequenta o ensino médio profissionalizante.

      A preferência pelos cursos tradicionais como Direito, Medicina e Engenharia permanece, mas há um pequeno crescimento de interesse por áreas ligadas à Ciência e Tecnologia, com desdobramentos para a Biologia, Meio Ambiente e Pesquisa. Os cursos universitários que mais atraem os alunos do Jovem Senador são:

      • Direito (26%)
      • Medicina/Saúde (26%)
      • Engenharia (14%)
      • Ciência e Tecnologia (11%)
      • Jornalismo (7%)

      Quanto à presença nas Redes Sociais, 78% dos alunos está no Facebook, 33% no Instagram e 11% no Snapchat. Cabe registrar, ainda, que 11% prefere não estar presente nas Redes Sociais, tendência que vem crescendo entre os alunos que participam do Jovem Senador.

      Quanto à participação em projetos sociais locais, 41% dos Jovens Senadores afirmaram que atuam ou já atuaram em alguma iniciativa. Apenas 19% deles alega que participaram de outros projetos de educação para a cidadania como o Parlamento Jovem da Câmara dos Deputados, English Immersion USA, Jovens Embaixadores, Selo Unicef, Letters for Learning, Embaixador Movimento Mapa Educação, Parlamento Juvenil do Mercosul entre outros.

      Quanto ao ingresso na vida política, apenas 15% afirma estar interessado em exercer algum cargo eletivo e pretender seguir carreira nessa área. Em 2016, é o caso dos estudantes de Goiás, Paraíba, Paraná e Santa Catarina. Apesar de poucos, essa tendência de revelar possíveis novas lideranças políticas locais cresce a cada nova edição do Jovem Senador.

      Como se pode ver nas eleições de 2016, dois ex-jovens senadores concorreram a uma vaga de vereador: a estudante Stefany Manbarú Rocha, de Roraima, que não conseguiu ser eleita, e José Patrocínio Dantas Neto, de Parelhas/RN, que se elegeu vereador.

      Não somente os alunos são motivados a tentar uma carreira política, como também os professores orientadores que participaram do Jovem Senador. Em 2016, o professor representante do Rio Grande do Norte no Jovem Senador de 2015, Oton Mário de Araújo Costa, também decidiu concorrer a um cargo eletivo, segundo ele motivado pela participação no Projeto, e conseguiu vencer as eleições para Prefeito da cidade de Jaçanã/RN.

       

      Dos professores orientadores

      A maioria dos professores que participam do Jovem Senador são do sexo feminino (78%) e estão na faixa etária entre 30 e 39 anos (41%).

      Quanto ao nível de escolaridade, 96% é formado em Letras e 11% tem mais de um curso de nível superior em seu currículo. Boa parte deles também possui curso de Pós-Graduação ou alguma Especialização (41%) nas seguintes áreas: Docência do Ensino Superior, Ensino de Línguas, Estudos linguísticos, Gênero e Diversidade na Escola, Gestão Escolar, Letras, Metodologia da Pesquisa, Psicopedagogia, Literatura e Língua Portuguesa.

      O número de professores que possuem Mestrado também cresceu e na edição de 2016 do Jovem Senador é de 11% do total de participantes, nas seguintes áreas do conhecimento: Letras: linguística e transculturalidade; Letras e linguística aplicada; Comunicação, linguagem e cultura.

      Quanto ao tempo no magistério, os professores orientadores do Jovem Senador têm muita experiência de sala de aula e já exerceram a coordenação pedagógica em suas escolas. Em 2016, 26% dos professores tem de 6 a 10 anos de sala de aula e 41% deles tem de 11 a 20 anos de profissão.

      Há, ainda, um grupo reduzido de 7% que conta com mais de 31 anos de trabalho dedicado à Educação e prefere atuar diretamente com os alunos em sala de aula. O Projeto também conta com a participação de professores mais jovens (7%) que estão iniciando a carreira e tem até 5 anos de profissão. Em geral, esses professores acham a proposta do Jovem Senador uma boa forma de mobilizar os alunos a discutirem a questão da participação política e da formação cidadã e é a primeira vez que se inscreveram no Projeto.

      Quanto ao alcance do material de divulgação do Projeto, 89% dos professores recebem o kit do Jovem Senador na escola e 15% afirmaram que já participaram de outras edições do Jovem Senador.

      Quanto à participação na Plataforma Saberes do ILB/SF, nenhum dos professores se inscreveu nas disciplinas ofertadas. A maior parte alegou falta de tempo para realizar os cursos.

      Sobre a participação em outras iniciativas de educação para a cidadania, 22% dos professores alegam que participam ou já participaram de outros projetos, especialmente àqueles destinados aos alunos do Ensino Médio.

      Quanto ao material disponibilizado no site, em especial no campo “Navegando no tema”, 100% utilizou o conteúdo ofertado e 30% declarou explicitamente que usa as redações premiadas nas edições anteriores como base para trabalhar com os alunos em sala de aula.

      Quanto ao novo site do Projeto Jovem Senador, 100% declarou que a ferramenta é de fácil navegação, bem estruturado, com informações precisas e claras, visual moderno e contém todos os dados necessários para orientar a participação no certame, tanto para alunos quanto para os professores.

      Em 2016, 11% dos professores afirmaram trabalhar em conjunto com outras disciplinas como História, Filosofia e Educação Física, valorizando a abordagem multidisciplinar, para desenvolver o tema escolhido para o projeto: “Esporte: educação e inclusão”.

      Serviço

           

            Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11