Coronavírus

Governo federal já disponibilizou R$ 600 bilhões no enfrentamento à pandemia

02:24Governo federal já disponibilizou R$ 600 bilhões no enfrentamento à pandemia

Transcrição LOC: O GOVERNO FEDERAL DISPONIBILIZOU MAIS DE 600 BILHÕES DE REAIS EM RECURSOS PARA O COMBATE À PANDEMIA DE COVID-19 A PARTIR DE 25 AÇÕES, ENTRE MEDIDAS PROVISÓRIAS E PROJETOS DO CONGRESSO. LOC: DESSE VALOR, 320 BIHÕES FORAM DESTINADOS AO PAGAMENTO DO AUXÍLIO EMERGENCIAL. OS DADOS FORAM APRESENTADOS PELO SECRETÁRIO DE FAZENDA EM REUNIÃO NO CONGRESSO NACIONAL. MAIS INFORMAÇÕES COM O REPÓRTER RODRIGO RESENDE: (Repórter) Em reunião da Comissão do Congresso que acompanha ações do governo contra a pandemia, o secretário de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, afirmou que o montante disponibilizado de recursos já chegou a R$ 600 bilhões de reais, entre renúncias de receitas e novas despesas. (Waldery Rodrigues) 3% é do lado da receita, cerca de 20,6 bilhões. E um valor de quase 600 bilhões, 586,6 bilhões do lado da despesa. (Repórter) Desse total, R$ 321 bilhões foram destinados ao pagamento do auxílio emergencial. Já o Pronampe, programa de apoio às micro e pequenas empresas, recebeu R$ 28 bilhões para empréstimos a esses empresários. Mas o senador Esperidião Amin, do PP de Santa Catarina, lamentou que o volume de recursos disponibilizados tenha ficado restrito ao valor oferecido de garantia pelo governo, sem contrapartidas e investimentos dos bancos. (Esperidião Amin) O governo colocou 27,9 bilhões para emprestar a micro, pequena empresa e empreendedores individuais. E o total de empréstimo feito foi de 30,45 bilhões. Ou seja, os bancos emprestaram o que o governo, o que nós colocamos como garantia. (Repórter) Waldery Rodrigues alertou que a relação entre a dívida do país e o PIB deve chegar a quase 94%, com uma previsão de queda do PIB de 4,7%. O secretário ainda comparou a oferta de recursos do Brasil com os demais países. (Waldery Rodrigues) O Brasil, 8,4% do PIB. A média dos países emergentes é 7,1. A média dos países emergentes é 4,3, o Brasil é quase o dobro. (Repórter) O relator da Comissão, deputado Francisco Júnior, do PSD de Goiás, afirmou que o desafio econômico será tão grande quando o enfrentado pela saúde. (Francisco Júnior) Do ponto de vista da economia a gente imagina que muitas das dificuldades, muitos problemas nós vamos começar a enfrentar agora. O aspecto do déficit público, do endividamento este ano. Toda essa transição que vai acontecer em relação ao auxílio emergencial, que diminui o valor, e a gente sabe a importância que o auxílio tem agora para a sustentação da economia local pelo país afora. (Repórter) Waldery defendeu a manutenção do Teto de Gastos como forma de demonstração de responsabilidade fiscal, além do conservadorismo e da transparência nas ações econômicas em função da pandemia.

O governo federal disponibilizou R$ 600 bilhões para combate à pandemia a partir de 25 medidas entre MPs e iniciativas do Congresso Nacional. O secretário de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, afirmou que, desse montante, R$ 320 bilhões foram destinados ao auxílio emergencial. O senador Esperidião Amin (PP-SC) lamentou que o Pronampe, programa de apoio à micro e pequena empresa, apesar de ter recebido R$ 28 bilhões para garantia dos empréstimos, não contou com contrapartida dos bancos, que se limitaram ao valor garantido pelo governo. Mais informações com o repórter Rodrigo Resende.

TÓPICOS:
Auxílio emergencial  Bancos  Congresso Nacional  covid-19  Economia  Empresas  Goiás  Investimentos  Micro e Pequenas Empresas  pandemia de covid-19  PIB  PP  PSD  Saúde  Santa Catarina  Senador Esperidião Amin  Coronavírus 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 0 61 2211
Ao vivo