Audiência pública

Comissão sobre Mobilidade Urbana debate situação das calçadas do Brasil

02:42Comissão sobre Mobilidade Urbana debate situação das calçadas do Brasil

Transcrição LOC:. AS CALÇADAS BRASILEIRAS NÃO ESTÃO EM BOAS CONDIÇÕES, APONTOU DEBATE NA SUBCOMISSÃO TEMPORÁRIA SOBRE MOBILIDADE URBANA DO SENADO. LOC: OS ESPECIALISTAS RESSALTARAM QUE ANDAR A PÉ MELHORA A SAÚDE DAS PESSOAS, FAVORECE O COMÉRCIO E AS AMIZADES E DIMINUI A POLUIÇÃO NAS CIDADES. REPORTAGEM DE IARA FARIAS BORGES. (Repórter) Segundo a Campanha Calçadas do Brasil, um levantamento feito em 2019 pelo Portal Mobilize, Mobilidade Urbana Sustentável, as calçadas brasileiras desestimulam as pessoas a caminhar. Numa escala de zero a dez, a nota mínima aceitável é oito, e a média nacional ficou em 5 vírgula 71, explicou Marília Hildebrand, representante do Portal. (Marília Hildebrand) “Todas as cidades não chegaram a uma média boa. Todas elas ficaram numa nota entre ruim e regular. No caso de São Paulo, foi 6,93, a maior nota; no caso de Belém, que foi a pior nota, a gente tem 4,52. Mas todas elas ficam nessa faixa entre ruim e regular”. (Repórter) Representando a Organização Andar a Pé, Wilde Gontiji defendeu a responsabilização dos prefeitos pela má qualidade das calçadas. (Wilde Gontiji) “Não estamos aqui só defendendo o andar a pé por si, mas em função das grandes vantagens que o andar a pé causa nas nossas cidades: desonera o transporte coletivo, humaniza a cidade, reduz a poluição, melhora a saúde das pessoas e isso em grande escala”. (Repórter) Para auxiliar os gestores municipais, o Ministério de Desenvolvimento Regional elaborou o projeto “mobilidade urbana de baixo carbono”, em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento e outras entidades, explicou o representante do ministério Higor Guerra. (Higor Guerra) “Projeto muito valioso para a gente poder estar desenvolvendo uma mobilidade mais humana, uma mobilidade mais racional. Esses cadernos vão servir de referência, principalmente para os gestores públicos municipais, para entidades, para o setor privado também”. (Repórter) Neste mesmo sentido, rede instituída pelo Senado e outros órgãos do Executivo e Judiciário publicou em 2019 um guia para autoavaliação sobre acessibilidade nos ambientes do setor público, informou a gestora do Núcleo de Coordenação de Ações Socioambientais do Senado, Karin Kässmayer. Na avaliação do senador Paulo Paim, do PT gaúcho, que presidiu o debate, as cidades não devem pensar acessibilidade apenas às pessoas com deficiência. (Paulo Paim) “Afinal, todos queremos envelhecer. Enxergaremos menos, ouviremos menos e nossa mobilidade vai diminuir. As cidades brasileiras precisam preparar-se para acolher seus moradores, que viverão cada vez mais e em maior número”. (Repórter) O debate foi uma iniciativa dos senadores Mara Gabrilli, do PSDB de São Paulo, e Acir Gurgacz, do PDT de Rondônia. - REQ 31/2019 - CDH - REQ 123/2019 – CDH

Segundo a Campanha Calçadas do Brasil, um levantamento feito em 2019 pelo Portal Mobilize, Mobilidade Urbana Sustentável, as calçadas brasileiras são ruins ou regulares. Numa escala de zero a dez, com nota mínima aceitável de oito, a média nacional ficou em 5,71, explicou Marília Hildebrand, Representante do Portal. O Ministério Desenvolvimento Regional elaborou o projeto “mobilidade urbana de baixo carbono”, para ajudar gestores municipais com ações de mobilidade, disse Higor Guerra, que representou a pasta. O senador Paulo Paim (PT-RS) observou que a mobilidade deve atender a todos os moradores das cidades. Reportagem, Iara Farias Borges.

TÓPICOS:
Acessibilidade  Banco Interamericano de Desenvolvimento  CDH  Cidades  Comércio  Desenvolvimento  Desenvolvimento Regional  Judiciário  Mobilidade Urbana  PDT  Pessoas com Deficiência  PSDB  PT  Rede  Regional  Rondônia  São Paulo  Saúde  Senador Acir Gurgacz  Senador Paulo Paim  Senadora Mara Gabrilli 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo