Justiça dá 48 horas para Aneel e ONS explicarem novo apagão no Amapá — Rádio Senado
Apagão

Justiça dá 48 horas para Aneel e ONS explicarem novo apagão no Amapá

A Justiça do Amapá determinou prazo de 48 horas para que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e a empresa Linhas de Macapá Transmissora de Energia (LMTE) expliquem as causas do apagão que deixou 13 das 16 cidades do Amapá sem energia elétrica por cerca de quatro horas na última quarta-feira (13). O despacho do juiz federal de Macapá João Bosco Costa Soares da Silva foi em resposta ao pedido do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Proferida nesta quinta-feira (14), a decisão também prevê, em caso de descumprimento, multa aos responsáveis, bem como outras punições previstas em lei.  Reportagem, Iara Farias Borges.

15/01/2021, 12h48 - ATUALIZADO EM 15/01/2021, 12h48
Duração de áudio: 01:43
Foto: stockphotos/diretos reservados

Transcrição
LOC: A JUSTIÇA DEU O PRAZO DE 48 HORAS PARA QUE A ANEEL, O ONS E A EMPRESA TRANSMISSORA DE ENERGIA EXPLIQUEM O NOVO APAGÃO QUE ATINGIU O AMAPÁ NESTA QUARTA-FEIRA LOC: A DECISÃO FOI DADA PELA JUSTIÇA FEDERAL EM RESPOSTA AO PEDIDO DO SENADOR RANDOLFE RODRIGUES, DA REDE SUSTENTABILIDADE DO AMAPÁ. REPORTAGEM DE IARA FARIAS BORGES. (Repórter) O apagão desta quarta-feira, 13 de janeiro, deixou 13 dos 16 municípios do Amapá sem energia elétrica por cerca de quatro horas. Por determinação do juiz federal de Macapá João Bosco da Silva, a Aneel, Agência Nacional de Energia Elétrica, e o Operador Nacional do Sistema Elétrico, ONS, devem esclarecer as causas do novo blecaute no estado. Também deve dar explicações a empresa Linhas de Macapá Transmissora de Energia, responsável pelo equipamento que apresentou o problema. O despacho ainda exige que sejam tomadas as eventuais providências para evitar novo apagão. A decisão da Justiça foi em resposta ao pedido do senador Randolfe Rodrigues, da Rede Sustentabilidade do Amapá. Ele exige que medidas sejam tomadas para que o estado não sofra com recorrentes blecautes. (Randolfe Rodrigues): “Não só as explicações, nós queremos as providências. Porque nós não aceitaremos, de forma alguma, que transtornos como os que os amapaenses sofreram em novembro voltem a ocorrer no nosso estado. Quero cumprimentar a Justiça federal e vamos aguardar quais são as explicações do Operador Nacional do Sistema e da Agência Nacional de Energia Elétrica”. (Repórter) Caso haja descumprimento da decisão judicial, o despacho prevê multa aos responsáveis, bem como punições criminais, civis e processuais previstas em lei. Em novembro, o Amapá ficou sem energia por mais de vinte dias, o que gerou prejuízos em diversos setores.

Ao vivo
00:0000:00