Anvisa decide no domingo liberação para uso emergencial de vacinas — Rádio Senado
Coronavírus

Anvisa decide no domingo liberação para uso emergencial de vacinas

A diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decide no domingo (17) sobre o uso emergencial de duas vacinas contra o coronavírus no Brasil: a Coronavac e a da Astrazeneca. Em sabatina no Senado em 2020, o diretor-presidente da Anvisa, Antônio Barra, afirmou que análises como essa não levam em consideração aspectos ideológicos. A reportagem é de Rodrigo Resende, da Rádio Senado.

15/01/2021, 11h53 - ATUALIZADO EM 15/01/2021, 11h53
Duração de áudio: 02:24
Foto: stockphotos/diretos reservados

Transcrição
LOC: DIRETORIA DA ANVISA TEM REUNIÃO NO DOMINGO PARA DECIDIR SOBRE USO EMERGENCIAL DE DUAS VACINAS CONTRA O CORONAVÍRUS NO BRASIL. LOC: SE A CORONAVAC E A VACINA DA ASTRAZENECA FOREM APROVADAS, A VACINAÇÃO DEVE COMEÇAR NO DIA 20 DE JANEIRO. REPÓRTER RODRIGO RESENDE (Repórter) A Agência Nacional de Vigilância sanitária, ANVISA, decide no domingo se aprova o uso emergencial de duas vacinas contra o coronavírus no Brasil: a vacina da Astrazeneca em parceria com a Universidade de Oxford, que será produzida no Brasil pela FioCruz; e a vacina Coronavac, produzida pela empresa Sinovac e que será feita no país pelo Instituto Butantan. A reunião acontece às dez da manhã, horário de Brasília, com transmissão ao vivo pelas redes sociais da Anvisa. A expectativa é que a reunião dure cerca de 5 horas. A diretoria colegiada da Anvisa que decidirá sobre a vacina é composta por 5 integrantes. Um deles, Antônio Barra Torres, diretor-presidente da Agência, que em sua sabatina no Senado em 2020, ao ser perguntado sobre a questão das vacinas, afirmou que qualquer análise deixaria de fora questões ideológicas: (Barra Torres) As pressões existem em qualquer sociedade; na nossa, não é diferente. Na questão regulatória, muito menos. Talvez aí até mais frequente. Entretanto, manter a discussão fora da ideologia é fundamental, e é exatamente isso que nós temos feito. Portanto, não creio que, quando se trata de saúde pública, qualquer questão ideológica venha a preponderar. (Repórter) Em uma live com o Presidente da República Jair Bolsonaro, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, garantiu que o Programa Nacional de Imunizações irá utilizar todas as vacinas aprovadas pela Anvisa: (Eduardo Pazuello) E é isso que a Anvisa está fazendo agora, está analisando, no momento em que ela concluir que esses números estão corretas, a documentação está perfeita, cumprida como tem que ser, aguardamos essa aprovação para utilização. E vamos utilizar todas as vacinas aprovadas pela Anvisa. (Rep) A posição é defendida pelo senador Dário Berger, do MDB de Santa Catarina: (Dário Berger) A vacina, na minha opinião, não pode ser desacreditada. Nenhuma vacina pode ser desacreditada. Eu quero tomar a primeira vacina que aparecer, seja de qual país for! Então, é preciso ter fé, é preciso acreditar na medicina, é preciso acreditar na ciência, é preciso acreditar na tecnologia. (Repórter) Em reunião com prefeitos, Eduardo Pazuello afirmou que, caso haja a aprovação da Anvisa no domingo, a vacinação começará no dia 20 de janeiro de forma simultânea em diversas cidades do país.

Ao vivo
00:0000:00