Votação do 2º turno da reforma da Previdência deve ocorrer dia 22 de outubro — Rádio Senado
Reforma da Previdência

Votação do 2º turno da reforma da Previdência deve ocorrer dia 22 de outubro

A oposição descartou a redução de prazos para votação nesta semana do segundo turno da reforma da Previdência (PEC 6/2019). Segundo o líder do PT, senador Humberto Costa (PE), aliados do governo condicionaram o andamento do Pacto Federativo para concluírem a votação da Previdência. O vice-líder do governo, senador Chico Rodrigues (DEM-RR), admite que o segundo turno ficará para o dia 22 diante de um acordo de líderes. Mas o senador Marcos Rogério (DEM-RO) defende a votação o quanto antes. As informações são da repórter da Rádio Senado, Hérica Christian.

07/10/2019, 13h49 - ATUALIZADO EM 07/10/2019, 16h10
Duração de áudio: 02:34
Foto: Divulgação

Transcrição
LOC: VOTAÇÃO EM SEGUNDO TURNO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA DEVERÁ SER NO DIA 22 DE OUTUBRO. LOC: FALTA DE ACORDO COM A OPOSIÇÃO SOBRE PRAZOS REGIMENTAIS E A PARALISIA DO PACTO FEDERATIVO ADIARAM A APRECIAÇÃO FINAL DAS NOVAS REGRAS DE APOSENTADORIA. REPÓRTER HÉRICA CHRISTIAN (Repórter) Aprovada em primeiro turno, a Reforma da Previdência será discutida em três sessões deliberativas após cinco dias úteis de intervalo. Se houver emendas de redação, a proposta voltará para a Comissão de Constituição e Justiça para mais uma votação antes de voltar para o Plenário em segundo turno. O líder do PT, senador Humberto Costa, de Pernambuco, afirmou que a oposição não aceitará redução de prazos e citou o reforço da base aliada para não votar a Reforma da Previdência até uma definição do Pacto Federativo. (Humberto Costa) A própria contingência da posição assumida pelos líderes e pela própria Mesa do Senado de que nós não votaremos essa Reforma enquanto não tivermos uma decisão clara, cristalina sobre o tema dos recursos para estados e municípios procedentes da cessão onerosa do pré-sal, acreditamos que independentemente da quebra do interstício, nós não teremos essa votação realizada na próxima semana. (Repórter) O vice-líder do governo, senador Chico Rodrigues, do Democratas de Roraima, admitiu que o segundo turno da Reforma da Previdência deverá ocorrer no dia 22 e não no dia 10, como inicialmente previsto. (Chico Rodrigues) Às vezes, você quer, mas não pode. Então, foi o que aconteceu agora. Você tem uma previsão, mas em função dos acordos entre os partidos, é o que prevalece sempre. E a partir daí, existe uma unidade e houve entendimento presidente Davi, de uma forma muito cuidadosa, muito serena, compreendeu dessa forma e a liderança do governo também. E aí por causa de uma semana a mais ou uma semana menos é que não vai realmente ter nenhum problema para a votação do segundo turno. (Repórter) Já o senador Marcos Rogério, do Democratas de Rondônia, espera um acordo para votação da Reforma da Previdência o quanto antes. (Marcos Rogério) Quanto antes nós votarmos a Reforma da Previdência é melhor porque a cada dia que passa rombo nas contas públicas vai aumentando. Ou seja, quanto mais tempo o Parlamento demora para concluir a Reforma da Previdência maior prejuízo para as contas pública. É preciso reequilibrar as contas, é preciso garantir a sustentabilidade do modelo previdenciário brasileiro e garantir justiça porque o modelo atual não é nem sustentável e nem é justo. (Repórter) Entre o primeiro e segundo turnos, não há possibilidade de mudanças no mérito da Reforma da Previdência, apenas emendas de redação para eventuais erros formais na proposta.

Ao vivo
00:0000:00