Saúde

Senado deve voltar a discutir a proibição do amianto

02:08Senado deve voltar a discutir a proibição do amianto

Transcrição LOC: A PROIBIÇÃO DO AMIANTO VOLTARÁ A SER DISCUTIDA NO SENADO, POR INICIATIVA DO SENADOR PAULO PAIM. LOC: A SUBSTÂNCIA CANCERÍGENA, TAMBÉM CONHECIDA COMO ASBESTOS, JÁ É PROIBIDA EM 59 PAÍSES DO MUNDO E MATA CEM MIL PESSOAS POR ANO, SEGUNDO A OIT. REPÓRTER MARCELLA CUNHA. TÉC: O senador Paulo Paim, do PT do Rio Grande do Sul, decidiu reapresentar o projeto de proibição do amianto, já proposto pelos ex-senadores Serys Slhessarenko e Eduardo Suplicy. O projeto veda a extração, a importação, o transporte, o armazenamento e a industrialização do amianto e dos minérios e rochas que contenham silicatos hidratados. Apesar de a ideia não ter avançado nas duas proposições anteriores, Paulo Paim acredita que o momento atual é propício para a aprovação da matéria. (Paim 1) “Eu acho que a sociedade está assimilando melhor essa luta de combate ao amianto em diversas partes do mundo. Ele prejudica a saúde de cada homem, cada mulher, adolescentes, idosos. Então há um movimento para que a gente aprove esse projeto para que o amianto não seja usado como é no Brasil. ” (REP) A contaminação acontece pela inalação das fibras do amianto, que são muito finas, e podem causar uma doença no trato respiratório conhecida como asbestose. O amianto também é associado ao mesotelioma, um tipo de tumor do tecido que reveste os pulmões, o estômago, o coração e outros órgãos. Apesar de ser proibido em 59 países, grandes potências como Estados Unidos, China e Rússia ainda permitem o amianto. Como tem grande resistência térmica e elétrica, ele está presente em vários produtos, como telhas e caixas d’água, que ficam mais baratas com o amianto. O projeto traz um cronograma para o encerramento das atividades: seis meses para a extração; um ano para o armazenamento na forma bruta; dois anos para a comercialização pela indústria e para a importação; três anos para a comercialização por estabelecimentos atacadistas e quatro para varejistas. O objetivo é permitir a adequação dos setores à nova regra, como explica Paim. (Paim 2) “Eu acho que devagar a indústria, o comércio, vão se adaptar a novos tempos, isso é no mundo todo. Tem que ser assimilado como algo a combater as doenças. E você tem que fazer de tudo porque a população mais pobre que usa esse tipo de telha porque é mais barato não percebe que, na verdade, o barato sai caro” (REP) São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco e Rio Grande do Sul já proibiram a substância, mas o Supremo Tribunal Federal considerou a medida inconstitucional, já que a União tem a competência privativa de legislar sobre jazidas, minas e recursos minerais. Da Rádio Senado, Marcella Cunha. PLS 30/2017

TÓPICOS:
Senador Paulo Paim  São Paulo  União  Rússia  PT  Rio de Janeiro  Supremo Tribunal Federal  Comércio  Rádio Senado  China  Idosos  Saúde  Indústria  Pernambuco  Estados  OIT  Adolescentes  Rio Grande do Sul  Estados Unidos 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11