Naufrágio

Senadores ouvem Marinha sobre acidente que deixou 33 mortos no Amapá

02:29Senadores ouvem Marinha sobre acidente que deixou 33 mortos no Amapá

Transcrição LOC: A SEGURANÇA DE EMBARCAÇÕES NO AMAPÁ FOI TEMA DE AUDIÊNCIA PÚBLICA CONJUNTA DAS COMISSÕES DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE. LOC: DURANTE A REUNIÃO, A MARINHA ELENCOU AS AÇÕES TOMADAS APÓS O NAUFRÁGIO DE NAVIO NO RIO JARI, QUE DEIXOU 33 MORTOS. A REPORTAGEM É DE MARCELLA CUNHA. TÉC (0310C05 – 2:30 ” – Marcella – Carlos Augusto - Randolfe – Zequinha Marinho Téc. ) A embarcação Anna Karoline 3 naufragou no dia 29 de fevereiro, no sul do Amapá. A viagem, com destino a Santarém, no Pará, duraria 36 horas. Até o momento, foram registradas 33 mortes e 51 pessoas resgatadas com vida. A Marinha não confirmou a informação de que nove pessoas seguem desaparecidas. O senador Randolfe Rodrigues, da Rede Sustentabilidade do Amapá, sugeriu a criação de terminais hidroviários para reforçar a fiscalização de embarcações. (Randolfe): Nós temos uma grande dificuldade para segurança fluvial na Amazônia é que essa embarcação como tantas outras não tinha lista de passageiros. (Rep) Foi aberto um inquérito para esclarecer as causas do acidente, que investiga hipóteses como mau tempo e problemas durante o reabastecimento. Há também uma denúncia de que a embarcação, com capacidade de até 95 toneladas, carregava 110 toneladas de açúcar. O senador Zequinha Marinho, do PSC do Pará, disse que como o acidente foi próximo à divisa com o estado, acompanhou de perto o drama de algumas famílias. (Zequinha): Foi uma situação muito constrangedora. Porque só na cidade de Almeirinha uma família perdeu 16 membros, para se ter uma noção. E a gente fica preocupado. Não sei quantos passageiros tinham no barco, mas possivelmente deveria estar acima da capacidade. (Rep) O capitão dos portos do Amapá, Carlos Augusto de Souza, informou que o resgate dos corpos tem apresentado complicações, já que o navio está a 12 metros de profundidade e a água turva dificulta a visibilidade dos mergulhadores. As correntezas também atrapalham as buscas, um corpo foi encontrado a 40 km do local do acidente. O próximo passo é o içamento e reflutuação do navio, como explicou o comandante Carlos Augusto. (Carlos): A embarcação ela tem 200 toneladas. Tinha em torno de 100 toneladas de carga, segundo o comandante. Além de quando ela afunda ela tem o volume d’agua, então a gente estima que tenha no mínimo 500 toneladas embaixo. A gente tem que ter um plano muito bem feito. Envolve dois guindaste de 220 toneladas e a gente tem que ter cuidados porque os cabos estrão tensionados e se estourar vai matar gente. Então teremos um acidente dentro do outro. (REP) Outra preocupação é o derramamento de combustível durante esse procedimento, que deve ser feito ainda nesta semana. Da Rádio Senado, Marcella Cunha.

As ações tomadas pela Marinha após o naufrágio da embarcação Anna Karoline III, no sul do Amapá, foram apresentadas nesta terça-feira em audiência pública conjunta nas Comissões de Desenvolvimento Regional e Turismo e Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor. O acidente deixou 33 mortos e 51 sobreviventes. O senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP) lamentou a ausência recorrente de lista de passageiros nas embarcações da Amazônia. Já o capitão dos portos do Estado, comandante Carlos Augusto de Souza, disse que o próximo passo é a reflutuação do navio, que ainda está afundado a 12 metros no Rio Jari. A reportagem é de Marcella Cunha.

TÓPICOS:
Água  Amapá  Amazônia  Comissões  Consumidor  Defesa do Consumidor  Desenvolvimento  Desenvolvimento Regional  Família  Fiscalização  Pará  Portos  PSC  Rede  Rede Sustentabilidade  Regional  Segurança  Senador Randolfe Rodrigues  Senador Zequinha Marinho  Sustentabilidade  Turismo 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo