CPI das Fake News

Alexandre Frota denuncia gabinete no Planalto especializado em disparo de notícias falsas

02:58Alexandre Frota denuncia gabinete no Planalto especializado em disparo de notícias falsas

Transcrição LOC: A CPI MISTA DAS FAKE NEWS OUVIU NESTA QUARTA-FEIRA O DEPUTADO FEDERAL ALEXANDRE FROTA SOBRE ATAQUES VIRTUAIS FINANCIADOS COM DINHEIRO PÚBLICO. LOC: ELE ATRIBUIU A COORDENAÇÃO DA EQUIPE A CARLOS BOLSONARO. A REPORTAGEM É DE MARCELLA CUNHA: (Repórter) O deputado Alexandre Frota, do PSDB de São Paulo, denunciou à CPI Mista das Fake News o uso de dinheiro público e da estrutura do Palácio do Planalto para organizar ataques virtuais coordenados através de perfis falsos em redes sociais, no que vem sendo chamado de gabinete do ódio. Frota foi expulso do PSL em agosto depois de criticar abertamente o presidente Jair Bolsonaro e hoje faz oposição ao governo. De acordo com Frota, trabalham atualmente em um dos gabinetes da Presidência três assessores remunerados que teriam sido os responsáveis por páginas especializadas em disparar fake news em massa durante a campanha eleitoral. São eles: Tercio Arnaud Tomaz, José Matheus Sales Gomes e Mateus Matos Diniz. (Alexandre Frota) Vieram das redes bolsonaristas, tiveram oficializadas a suas redes de ataque com dinheiro público. E quem coordena? Carlos Bolsonaro, direto do Rio de Janeiro, coordena. Realizando reuniões, disparando via Whatsapp seus comandos. (Repórter) Um requerimento de convocação de Carlos Bolsonaro foi apresentado pelo senador Randolfe Rodrigues, da Rede Sustentabilidade do Amapá, que ainda precisa ser aprovado pelos demais membros da CPI Mista. Durante o depoimento, o deputado Eduardo Bolsonaro, do PSL de São Paulo, disse que Frota é só mais um “traíra que apunhalou o presidente”. (Eduardo Bolsonaro) Só a presença do Alexandre Frota aqui já é um escárnio com a sociedade brasileira. Achar que ele vem aqui trazer luz sobre fake news? Ela tem aversão a esse tipo de conduta. A pessoa é muito seu amigo, dá tapa nas costas, aí depois é eleito e muda de lado. (Repórter) Frota também relatou à CPI Mista que teria recebido uma ligação do presidente Jair Bolsonaro reclamando de um discurso em que ele pede a prisão de Fabricio Queiroz, ex-assessor do então deputado Flávio Bolsonaro. Para o senador Randolfe, o fato é gravíssimo e requer investigação. (Randolfe Rodrigues) Se trata de obstrução à justiça por parte do Presidente da República. É esta a gravidade do que acaba de ser relatado nesta CPMI. (Repórter) Frota se disponibilizou a quebrar seu sigilo telefônico para comprovar o telefonema e entregou um vídeo à comissão, gravado em um evento no Palácio do Planalto, em que o Presidente teria repetido o pedido de silêncio. Nesta terça-feira, a CPMI discutiu o impulsionamento de conteúdo e formas de combater a manipulação virtual nas eleições de 2020. Para o especialista em segurança na internet, Thiago Tavares, os dados pessoais são a matéria prima para as campanhas de disseminação de informações falsas. E é preciso ampliar a prestação de contas de pequenos e médios provedores de acesso, responsáveis por quase 40% das conexões, que não possuem a mesma regulação dos grandes provedores.

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito das Fake News ouviu nesta quarta-feira (30) o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP). Ele denunciou a contratação pelo Palácio do Planalto de três assessores responsáveis por administrar páginas especializadas em fake news antes das eleições. O senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP) quer que a CPMI também investigue uma suposta ligação do presidente Jair Bolsonaro a Frota, pedindo silêncio sobre o caso Queiroz.  A reportagem é de Marcella Cunha.

TÓPICOS:
Amapá  Bolsonaro  Câmara dos Deputados  Campanha Eleitoral  CPI  Eleições  Internet  Justiça  Oposição  Presidente da República  PSDB  PSL  Rede  Rede Sustentabilidade  Redes Sociais  Rio de Janeiro  São Paulo  Segurança  Senador Flávio Bolsonaro  Senador Randolfe Rodrigues  Sustentabilidade 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo