Coronavírus

Plano de imunização contra covid-19 só ficará pronto após registro de vacina na Anvisa

O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros, afirmou nesta terça-feira (1) que o plano de imunização contra a covid-19 depende do registro de uma das vacinas pela Anvisa. O senador Esperidião Amim (PP-SC) quer que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, atualize a comissão mista que acompanha as ações do governo contra a doença sobre o andamento das vacinas. O ministro participa de uma reunião na comissão nesta quarta-feira (2).  A reportagem é de Marcella Cunha, da Rádio Senado.

01/12/2020, 17h25 - ATUALIZADO EM 01/12/2020, 17h25
Duração de áudio: 02:18
Foto: Stockphotos/direitos reservados

Transcrição
LOC: O GOVERNO SÓ VAI DIVULGAR O PLANO DE IMUNIZAÇÃO CONTRA A COVID-19 QUANDO UMA DAS VACINAS FOR REGISTRADA NA ANVISA. LOC: A INFORMAÇÃO FOI PASSADA NESTA TERÇA-FEIRA PELO MINISTÉRIO DA SAÚDE. REPORTAGEM É DE MARCELLA CUNHA (Repórter) O plano de imunização contra a covid-19 só ficará pronto quando uma das cinco vacinas em desenvolvimento no Brasil for registrada na Anvisa. É o que afirmou o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros. Segundo ele, a prioridade no momento é conseguir uma vacina que seja barata, de dose única e termoestável, com temperatura de conservação ideal entre 2 e 8 graus celsius. Essa é a abrangência da rede de frios brasileira, ou seja, o processo de armazenagem, distribuição e transporte do Programa Nacional de Imunizações. O imunizante da Pfizer, por exemplo, precisa ser conservado a 70 graus negativos e administrado em no máximo 5 dias. Essa será a escolha do Reino Unido, que já começa a vacinar a população agora em dezembro, já que os dados iniciais mostram uma eficácia de 95%. Para o senador Esperidião Amim, do PP de Santa Catarina, é fundamental que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que deve comparecer nesta quarta-feira na comissão mista da covid-19, atualize os parlamentares sobre qual será a estratégia de imunização adotada pelo Brasil. ( Esperidião Amim) A Inglaterra pretende iniciar a vacinação em dezembro. E é exatamente a vacina de negociação com a Fiocruz e com o Governo brasileiro; não é a única. Então, o nosso sonho... A Inglaterra volta ao normal na Páscoa. É uma inveja sã a nossa. O Ministro tem que dizer: "Olha, nós temos cinco noivas. Uma, estamos namorando; quanto à outra, estamos pedindo licença para os pais". (Repórter) O Ministério da Saúde informou que está avançando com o plano de imunização e deverá divulgar ainda nesta semana uma atualização das vacinas em estudo e a operacionalização da campanha, com critérios de responsabilidade definidos entre a União, estados e municípios. O Ministério confirmou, ainda, que a imunização não será oferecida para toda a população em 2021. A expectativa é vacinar 80 milhões de pessoas parte de grupos prioritários e populações mais expostas ao vírus.

Ao vivo
00:0000:00