Indústria farmacêutica quer incentivos para descarte ecológico de remédios — Rádio Senado

Indústria farmacêutica quer incentivos para descarte ecológico de remédios

LOC: A INDÚSTRIA QUER QUE O GOVERNO IMPLEMENTE POLÍTICAS DE INCENTIVO PARA O DESCARTE ECOLÓGICO DE BILHÕES DE REMÉDIOS TODOS OS ANOS. E PELA LEI DOS RESÍDUOS SÓLIDOS, ESTA CHAMADA “LOGÍSTICA REVERSA” TEM DE ESTAR EM PRÁTICA ATÉ 2014. 

LOC: O ASSUNTO FOI DISCUTIDO NESTA QUINTA-FEIRA, EM AUDIÊNCIA PÚBLICA DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE. REPÓRTER SERGIO VIEIRA. 

TÉC: O Brasil tem cerca de 65.000 farmácias, mas apenas 4.000 fazem parte de grandes redes. Algumas delas inclusive já colocaram em prática, em parceria com a indústria farmacêutica, a chamada "Logística Reversa", ou seja, o retorno aos fabricantes dos resíduos de medicamentos e embalagens descartados como lixo. Pela lei, a "Logística Reversa" neste setor tem que ser adotada em todo o país até 2014, mas os custos operacionais são considerados muito altos e afetariam principalmente os pequenos comerciantes. Por isso o presidente do Conselho da Associação da Indústria Farmacêutica, Jorge Raimundo, quer que o Governo adote políticas financeiras de incentivo, para que a logística reversa seja de fato aplicada em todo o país, beneficiando assim a sociedade e o meio ambiente. 

(JORGE RAIMUNDO): A carga tributária sobre medicamentos no Brasil é ímpar. Não existe em outro país do mundo uma carga tributária como tal. Se o senhor sair daqui e for ao México a carga tributária é zero. Nos Estados Unidos é zero. Quando você vai numa farmácia e paga um remédio de 10 reais, 3 reais ali é de carga tributária. O Estado está presente e arrecada mais de 30% em cada frasco de remédio que é vendido. 

(REP): As negociações envolvendo o Governo, a indústria farmacêutica e o setor varejista já começaram. O objetivo é que um acordo seja fechado e a política seja aplicada já a partir do ano que vem. O início das negociações foi bastante saudado pelo senador Anibal Diniz do PT do Acre, que presidiu a audiência pública na Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle. 

(ANIBAL DINIZ): Se temos a consciência de que o problema existe e se temos total disposição para continuar a discussão na busca da solução mais adequada, eu acho que já temos um caminho importante andado. 

(REP): No Brasil são comercializados 4 bilhões de remédios todos os anos.
10/05/2012, 01h25 - ATUALIZADO EM 10/05/2012, 01h25
Duração de áudio: 01:56
Ao Vivo

Não é usuário? Cadastre-se.

Ao vivo
00:0000:00