Eleições

Senadores minimizam troca-troca partidário ao afirmarem que desfiliações no período autorizado eram esperadas

01:58Senadores minimizam troca-troca partidário ao afirmarem que desfiliações no período autorizado eram esperadas

Transcrição LOC: SENADORES MINIMIZAM O TROCA-TROCA PARTIDÁRIO FEITO POR MAIS DE OITENTA DEPUTADOS. LOC: PMDB, PTB, PT E PSB FORAM OS QUE MAIS PERDERAM REPRESENTANTES, ENQUANTO O DEMOCRATAS E O PARTIDO PROGRESSISTA TIVERAM AUMENTO EM SUAS BANCADAS NA CÂMARA. REPÓRTER HÉRICA CHRISTIAN. TÉC: Em comparação a fevereiro de 2015, o PMDB de Michel Temer, o PTB de Roberto Jefferson, o PT de Lula e o PSB de Eduardo Campos foram os partidos que tiveram as maiores baixas com a janela partidária: 12, 10, 9 e 9. Por outro lado, o Democratas de Rodrigo Maia mais que dobrou de tamanho, passando de 21 para 43 deputados federais, e o Partido Progressista de Paulo Maluf filiou mais 13, chegando a um total de 51. Apesar das perdas, o PT continua com a maior bancada, como enfatizou a presidente da legenda, senadora Gleisi Hoffmann, do Paraná. (Gleisi Hoffmann) Quem saiu do PT já prevíamos que sairia e o PT hoje é a maior bancada da Câmara dos Deputados. Ficou com a maior bancada da Câmara. (Repórter) O presidente do PMDB, senador Romero Jucá, de Roraima, negou que as baixas do PARTIDO sejam consequência da reprovação do governo Temer. (Romero Jucá) Toda mudança de partido é definida por questões regionais, de coligações, de disputas de eleições. É natural que os deputados queiram se organizar e posicionar de uma forma melhor para se reelegerem. Isso é legítimo. Não condenamos nenhuma mudança de partido porque isso faz parte da vida política e partidária. (Repórter) Já o presidente do Democratas, senador José Agripino Maia do Rio Grande do Norte, afirmou que o crescimento da bancada reforça a tese da candidatura própria à Presidência da República com o deputado Rodrigo Maia. (José Agripino) Foi um partido capaz de resistir aos ataques do governo do PT. Foi um partido que ao longo do tempo agiu com coerência e soube com firmeza de atitudes sobreviver para crescer. (Repórter) No Senado, apenas quatro parlamentares trocaram de legenda durante a janela partidária. Raimundo Lira, da Paraíba, Elmano Ferrer, do Piauí, e Rose de Freitas, do Espírito Santo, deixaram o PMDB. Kátia Abreu, de Tocantins, que havia sido desligada da agremiação, se filiou ao PDT durante o período. Da Rádio Senado, Hérica Christian.

A presidente do PT, senadora Gleisi Hoffman (PR), minimizou o fato de o partido ter perdido 9 deputados desde 2015. Segundo Gleisi Hoffman, o troca-troca partidário não retirou da legenda a condição de maior bancada na Câmara dos Deputados. Já o presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR), nega que as baixas na legenda, num total de 12, tenham relação com a baixa popularidade de Michel Temer. De acordo com ele, o troca-troca partidário se deve a questões regionais. O presidente do Democratas, senador José Agripino Maia (RN), comemora as 23 adesões ao partido. Agripino lembra que a agremiação, que dobrou de tamanho e vai ter candidato próprio à Presidência da República.  Entre março e abril, período legal para a troca de partidos, quatro senadores anunciaram a filiação em outras legendas.

TÓPICOS:
Câmara dos Deputados  Deputado Rodrigo Maia  Eleições  Espírito Santo  Lula  Michel Temer  Paraíba  Paraná  Partidos  PDT  Piauí  PMDB  Política  PR  Presidência da República  PSB  PT  PTB  Rio Grande do Norte  Roraima  Senadora Gleisi Hoffmann  Senador José Agripino  Senador Romero Jucá  Tocantins 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 0 61 2211
Ao vivo