Proposta

Renda Brasil é suspenso por falta de acordo sobre valor das parcelas

O envio da proposta do programa Renda Brasil ao Congresso Nacional foi suspenso pelo presidente Jair Bolsonaro. Ele defende que o novo programa de transferência de renda do governo tenha parcelas de R$300,00 enquanto a equipe econômica sugere R$250. O vice-líder do governo, senador Chico Rodrigues (DEM-RR), acredita que a equipe econômica consiga elevar esse valor para atender ao presidente, já que tem os meios para apertar o cinto das despesas. Já a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) disse estar preocupada com a possibilidade de extinção do Farmácia Popular para custear o novo programa. A reportagem é de Marcella Cunha.

27/08/2020, 14h40 - ATUALIZADO EM 27/08/2020, 14h40
Duração de áudio: 02:13
Foto: Reprodução

Transcrição
LOC: UM IMPASSE SOBRE O VALOR DO PROGRAMA RENDA BRASIL SUSPENDEU O ENVIO DA PROPOSTA AO CONGRESSO NACIONAL. LOC: O VICE-LÍDER DO GOVERNO, CHICO RODRIGUES, DEFENDE QUE A ECONOMIA APERTE O CINTO PARA ACOMODAR A NOVA DESPESA. A REPORTAGEM É DE MARCELLA CUNHA (Repórter) O formato inicial do programa Renda Brasil, apresentado pela equipe econômica do governo, previa o pagamento mensal de 250 reais, unificando os beneficiários do Bolsa Família e outros programas sociais. No entanto, o valor foi rejeitado pelo presidente Jair Bolsonaro, que defende parcelas de pelo menos 300 reais por mês. Hoje, a média do auxílio é de 190 reais. A intenção do governo era que o aumento fosse concedido a partir de janeiro do ano que vem com a inclusão de oito milhões de pessoas no programa de transferência de renda. Segundo o vice-líder do governo, senador Chico Rodrigues, do Democratas de Roraima, a proposta está sendo reformulada para ser enviada ao Congresso Nacional nos próximos dias. (Chico Rodrigues) Passando de menos de 200 reais para, no meu sentimento, em torno de 250 a 300 reais. Ou seja um aumento superior a 30%. Isso é o que nós defendemos. E acho que, ninguém vai fazer mágica, mas a equipe econômica tem meios para apertar o cinto da economia e os órgãos de fiscalização e controle entender que ali se está fazendo um trabalho para atender os mais necessitados. (Repórter) Entre as possíveis fontes de financiamento do programa, que deve custar cerca de 52 bilhões de reais, está a unificação do seguro defeso, do abono salarial e do salário família. A senadora Eliziane Gama, do Cidadania do Maranhão, demonstrou preocupação com a possibilidade do fim do Farmácia Popular, cogitada inicialmente como uma das opções de financiamento do Renda Brasil. (Eliziane Gama) A Farmácia Popular atende hoje 20 milhões de brasileiros e ao retirar esse programa, nós estaremos sobrecarregando os Governadores de todos os Estados, que hoje já fazem o atendimento com medicamentos de alto preço. Então, eu queria deixar aqui que ficaremos muito atentos em relação a esse ponto e não vamos deixar que um programa tão importante dessa natureza seja excluído pelo atual Governo. (Repórter) O governo também estuda formas de desvincular os gastos do Orçamento para custear o Renda Brasil sem descumprir o Teto de Gastos.

Ao vivo
00:0000:00