Cultura

52º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro acontece até 1º de dezembro

O 52º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro acontece de 22/11 a 1º/12 na capital do país. Além das mostras competitivas com mais de 80 filmes entre curtas e longas-metragens, a programação inclui mostras paralelas, oficinas, cursos e debates sobre a produção cinematográfica nacional. As atividades têm o tradicional Cine Brasília como palco principal, mas também ocorrem em diversos outros locais do DF, como o Museu da República e as regiões administrativas de Samambaia, Recanto das Emas e Planaltina. Entre os homenageados desta edição estão o maestro Cláudio Santoro, pelo centenário de nascimento, e o ator Stepan Nercessian, pelo conjunto da obra. A reportagem é de Celso Cavalcanti, da Rádio Senado.

25/11/2019, 16h10 - ATUALIZADO EM 25/11/2019, 16h10
Duração de áudio: 07:08
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Transcrição
LOC: O 52º FESTIVAL DE BRASÍLIA DO CINEMA BRASILEIRO COMEÇOU NA ÚLTIMA SEXTA-FEIRA E VAI ATÉ DOMINGO, PRIMEIRO DE DEZEMBRO, NA CAPITAL DO PAÍS. LOC: ALÉM DAS MOSTRAS COMPETITIVAS COM MAIS DE 80 FILMES ENTRE CURTAS E LONGAS-METRAGENS, A PROGRAMAÇÃO CONTA COM MOSTRAS PARALELAS, OFICINAS, CURSOS E DEBATES SOBRE A PRODUÇÃO CINEMATOGRÁFICA NACIONAL. A REPORTAGEM DE CELSO CAVALCANTI: TÉC (1125 – C03 - T: 7’08’’ Celso – Festival de Cinema de Brasília) RESISTÊNCIA. NO DICIONÁRIO, SUBSTANTIVO FEMININO QUE SIGNIFICA O ATO OU EFEITO DE RESISTIR. OU A PROPRIEDADE DE UM CORPO QUE REAGE AO MOVIMENTO DE OUTRO. DURANTE A ABERTURA DO 52º FESTIVAL DE BRASÍLIA DO CINEMA BRASILEIRO, O MAIS ANTIGO DO PAÍS, RESISTÊNCIA TALVEZ TENHA SIDO A PALAVRA MAIS USADA POR ATORES, DIRETORES, PRODUTORES E CONVIDADOS. DO ALTO DE SEUS 84 ANOS, O CINEASTA VLADIMIR CARVALHO, UMA DAS MAIORES REFERÊNCIAS DO CINEMA NACIONAL, SE JUNTOU A ESSE CORO DURANTE A ABERTURA: VLADIMIR CARVALHO - Este Festival em especial, este 52º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, é uma resposta à altura por todas as coisas que a gente está passando, por tudo que a gente tem sofrido nesse momento em que a cultura está enfraquecida, ela está sendo atacada, resposta melhor não poderíamos dar. Brasília está de parabéns por este momento. AO LONGO DO FESTIVAL SERÃO EXIBIDOS MAIS DE 80 FILMES, ENTRE CURTAS E LONGAS-METRAGENS. A PROGRAMAÇÃO TAMBÉM CONTA COM OFICINAS, CURSOS E MUITO DEBATE SOBRE O ATUAL MOMENTO DO SETOR. ALÉM DO CINE BRASILIA, NA ASA SUL, QUE É O PRINCIPAL PALCO DO EVENTO, AS ATIVIDADES ACONTECEM EM VÁRIOS PONTOS DO DF, COMO O MUSEU DA REPÚBLICA, E REGIÕES ADMINISTRATIVAS COMO SAMAMBAIA, PLANALTINA E RECANTO DAS EMAS. O SECRETÁRIO DE CULTURA, ADÃO CÂNDIDO, FALOU SOBRE A IMPORTÂNCIA DO FESTIVAL PARA A CAPITAL DO PAÍS. ADÃO CÂNDIDO - Consideramos que realizar o evento, neste momento, com esta magnitude, com essa grande participação, é muito importante e afirmativo. Brasília se afirma como grande ponto de convergência da cultura nacional, do cinema nacional. O CARATER POLITIZADO DO FESTIVAL DE BRASÍLIA JÁ É CONHECIDO DE OUTRAS EDIÇÕES. MAS NESTE ANO O AMBIENTE PARECE AINDA MAIS ACIRRADO. A CERIMÔNIA DE ABERTURA FOI MARCADA POR MANIFESTAÇÕES DE ARTISTAS E PRODUTORES CONTRA O GOVERNO LOCAL DEVIDO AO CORTE DE VERBAS NA ÁREA DA CULTURA. A PONTO DE O SECRETÁRIO ADÃO CÂNDIDO QUASE NÃO CONSEGUIR FAZER SEU DISCURSO DE BOAS-VINDAS. VAIAS ADÃO – “Fora Adão” A PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO BRASILIENSE DE CINEMA E VÍDEO, DANIELA MARINHO, RESSALTOU QUE, POR CAUSA DAS DIVERGÊNCIAS POLÍTICAS, MUITOS ARTISTAS DA CIDADE INCLUSIVE DECIDIRAM BOICOTAR A EDIÇÃO DESTE ANO. DANIELA MARINHO - Tem parte da classe artística que está boicotando, o pessoal que estava aí hoje fazendo a vaia é um gesto de boicote, por conta da postura política do secretário e do governo com a classe artística. MAS NEM SÓ DE VAIAS E PROTESTOS FOI A NOITE DE ABERTURA. TAMBÉM TEVE CINEMA, CLARO! E O FILME ESCOLHIDO PARA ABRIR O FESTIVAL, COM EXIBIÇÃO HORS CONCOURS, FOI “O TRAIDOR”, UMA CO-PRODUÇÃO BRASILEIRA, ITALIANA, FRANCESA E ALEMÃ. DIRIGIDA POR MARCO BELLOCCHIO, A OBRA REFAZ A TRAJETÓRIA DO MAFIOSO TOMMASO BUSCETTA, QUE NA DÉCADA DE 1980 FOI EXTRADITADO DO BRAIL PARA A ITÁLIA E COLABOROU COM AS AUTORIDADES DO SEU PAÍS NO DESMONTE DA COSA NOSTRA, A MÁFIA SICILIANA. UMA DAS PROTAGONISTAS DO FILME, A ATRIZ MARIA FERNANDA CÂNDIDO CONVERSOU COM NOSSA REPORTAGEM. MARIA FERNANDA CÂNDIDO - Uma grande emoção, uma grande honra abrir o Festival de Brasília, um festival que forma o público, é um festival político, que pensa o cinema brasileiro, eu estive aqui em 2012 como jurada, então eu fiquei muito feliz, muito honrada. E A EDIÇÃO DESTE ANO TAMBÉM TEM HOMENAGENS. UMA DELAS, AO CENTENÁRIO DO MAESTRO CLÁUDIO SANTORO, FUNDADOR DA ORQUESTRA SINFÔNICA DO TEATRO NACIONAL QUE HOJE LEVA SEU NOME. JÁ A CINEASTA E ANTROPÓLOGA DÉBORA DINIZ RECEBEU O PRÊMIO ABCV, DA ASSOCIAÇÃO BRASILIENSE DE CINEMA E VÍDEO. MAS NÃO ESTAVA PRESENTE. É QUE DECIDIU DEIXAR O PAÍS APÓS SER AMEAÇADA DE MORTE POR DEFENDER A DESCRIMINALIZAÇÃO DO ABORTO. OUTRO HOMENAGEADO ESPECIAL NA EDIÇÃO DESTE ANO É O ATOR STEPAN NERCESSIAN, QUE GANHOU UM TROFEU CANDANGO PELO CONJUNTO DE SUA OBRA. STEPAN 1- Rapaz, a gente fica perguntando ‘Meu Deus, será que eu mereço?’, porque é muita honra, é um festival que eu tenho uma admiração muito grande, então você ser homenageado por algo, por uma entidade, que esse festival é uma instituição, pela resistência que esse Festival representa, é um motivo de muito orgulho, de muita honra. A MOSTRA COMPETITIVA COMEÇOU NO SÁBADO, COM A EXIBIÇÃO DE “PIEDADE”, DO DIRETOR CLÁUDIO ASSIS, DESDE JÁ UM DOS FAVORITOS DO PÚBLICO. NO ELENCO, NOMES COMO FERNANDA MONTENEGRO, CAUÃ REYMOND E MATHEUS NACHTERGAELE. ANTES, FORAM LEVADOS À TELA OS CURTAS “ALFAZEMA”, DIRIGIDO POR SABRINA FIDALGO, E “CARNE”, ANIMAÇÃO DA DIRETORA CAMILA KATER QUE REFLETE SOBRE O PAPEL DA MULHER NA SOCIEDADE. A PROGRAMAÇÃO COMPLETA ESTÁ NO SITE FESTIVALDEBRASILIA.COM.BR. MARCOS LIGOCKI JUNIOR, UM DOS CURADORES DO FESTIVAL, AFIRMOU QUE A BUSCA PELA DIVERSIDADE FOI UM DOS PRINCIPAIS CRITÉRIOS USADOS NA SELEÇÃO DAS OBRAS EXIBIDAS TANTO NAS MOSTRAS COMPETITIVAS QUANTO NAS PARALELAS VOZES, GUERRILHA, NOVOS REALIZADORES E TERRITÓRIO BRASIL. MARCOS LIGOCKI - Dos 189 filmes longas-metragens que foram escritos, o que eles estavam dizendo, como eles estavam produzindo, como eram as narrativas, sobre o que eles estavam falando, e a gente começou a construir a nossa curadoria a partir disso. Tentando botar lado a lado maneiras diferentes de pensar o cinema, e de pensar a vida. O FESTIVAL DE CINEMA DE BRASILIA TAMBÉM É TERRENO FÉRTIL PARA O DEBATE E O FOMENTO A PRODUÇÃO AUDIOVISUAL. A PRODUTORA RITA ANDRADE, QUE PARTICIPA DE UMA MESA DE DEBATES SOBRE A LIDERANÇA FEMININA NO AUDIOVISUAL, RESSALTA A IMPORTÂNCIA DESSA REFLEXÃO PARA A RESISTÊNCIA CULTURAL. RITA ANDRADE - O Festival tem tanto o caráter de fazer as rodas de negócios, que é muito importante, onde as pessoas apresentam seus projetos, desenvolvimentos comerciais, as produções executivas, e também tem o caráter de fazer o debate político. Este Festival em especial tem muito esse caráter. E SE A PALAVRA DE ORDEM É RESISTÊNCIA, O HOMENAGEADO STEPAN NERCESSIAN LEMBRA QUE RESISTIR É UMA ESPECIALIDADE DA CLASSE ARTÍSTICA NO BRASIL. STEPAN NERCESSIAN – É, a gente está sempre preparado.Não subestimem a força não, se a gente fosse fraco a gente já tinha ficado pelo caminho há muito tempo atrás. O 52º FESTIVAL DE BRASÍLIA DO CINEMA BRASILEIRO VAI ATÉ O DOMINGO, DIA 1º DE DEZEMBRO, QUANDO SERÃO CONHECIDOS OS PREMIADOS NAS MOSTRAS COMPETITIVAS DE CURTA E LONGA METRAGEM.

Ao vivo
00:0000:00