Pandemia

Senadores questionam novos vetos a uso de máscaras e comentam exame de Bolsonaro

Senadores questionaram a ampliação dos vetos no projeto que trata do uso obrigatório de máscaras, por meio de mensagem presidencial, e comentaram a divulgação do teste positivo de Bolsonaro para covid-19. O primeiro veto liberava escolas, comércios e igrejas, mas a mensagem estendeu a isenção para presídios e unidades socioeducativas. A Rede Sustentabilidade e o PDT acionaram o Supremo Tribunal Federal contra a mensagem. O senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP) pediu ainda que o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, devolva a mensagem ao Executivo. A reportagem é de Roberto Fragoso, da Rádio Senado.

07/07/2020, 21h33 - ATUALIZADO EM 07/07/2020, 21h41
Duração de áudio: 02:17
Pessoas em estação de metrô olhando para placa sobre o uso obrigatório de máscaras em vagões do metrô.
Foto: Foto: Fernando Vivas/GOVBA

Transcrição
LOC: MENSAGEM QUE AMPLIA VETO A USO DE MÁSCARAS É QUESTIONADA NO SENADO E NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. LOC: SENADORES REPERCUTEM AINDA O TESTE POSITIVO DO PRESIDENTE JAIR BOLSONARO PARA COVID-19. REPÓRTER ROBERTO FRAGOSO. TÉC: No dia 3 de julho o Planalto havia sancionado a lei das máscaras, com veto para a obrigatoriedade do uso em locais fechados como escolas, comércios e igrejas. No dia 6, publicou uma mensagem liberando também presídios e unidades socioeducativas. A Rede Sustentabilidade e o PDT acionaram o SupremoTribunal Federal contra a ampliação do veto. O senador Randolfe Rodrigues, da Rede do Amapá, pediu ainda que o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, devolva a mensagem ao Executivo. Randolfe sustenta que não é possível alterar a lei, depois de sancionada, por esse tipo de instrumento. (Randolfe) O presidente tem 15 dias após o Congresso Nacional aprovar uma lei para vetar, sancionar ou fazer o que se chama sanção tática. Silenciando, então a lei passa a ser promulgada pelo Congresso Nacional. O tempo aqui é fixo, é 15 dias. O presidente entrega uma complementação de mensagem de veto após a lei ter sido sancionada, isso fere o ordenamento constitucional e jurídico e por isso esse veto deve ser devolvido. (Repórter) Randolfe comentou ainda em suas redes, após a confirmação de que Jair Bolsonado testou positivo para coronavírus, que o presidente sempre minimizou os efeitos da doença e promoveu aglomerações. E disse esperar sua recuperação e que, em seu retorno, ele implemente políticas de contenção do vírus. Também o líder do PT no Senado, Rogério Carvalho, que já contraiu covid-19, desejou que Bolsonaro se recupere da doença e que, agora que a conhece em primeira mão, pare de minimizar sua gravidade e tome as rédeas do controle da pandemia. (Rogério Caervalho) Chegou a hora do presidente se conscientizar de que essa doença é grave, e que precisa ter um comando e uma articulação nacional pra gente evitar um maior número de vítimas, salvar as vidas. Além disso, o presidente demonstrou pouca empatia, pouco sentimento com as vidas perdidas ao longo dessa pandemia. Agora é hora dele mudar a sua posição e se envolver mais no combate à pandemia. (Repórter) O senador Alessandro Vieira, do Cidadania de Sergipe, desejou melhoras a todos os milhares de brasileiros contaminados pelo coronavírus, e manifestou repúdio a quem faz piadas, voto de piora ou torce pela morte do presidente da República, Ele disse que nada justifica essa conduta. Da Rádio Senado, Roberto Fragoso. PL 1.562/2020 VET 25/2020

Ao vivo
00:0000:00