Covid-19

Senadores lamentam demissão do ministro da Saúde e esperam que substituto tome decisões técnicas

04:04Senadores lamentam demissão do ministro da Saúde e esperam que substituto tome decisões técnicas

Transcrição LOC: SENADORES DE DIVERSOS PARTIDOS CRITICAM A DECISÃO DO PRESIDENTE BOLSONARO DE DEMITIR LUIZ HENRIQUE MANDETTA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE. LOC: ALIADOS DO GOVERNO AFIRMAM QUE NOVO MINISTRO ADOTARÁ DECISÕES TÉCNICAS APESAR DO ALINHAMENTO IDEOLÓGICO. REPÓRTER HÉRICA CHRISTIAN: TÉC: Luiz Henrique Mandetta acabou demitido do Ministério da Saúde por divergir do presidente Jair Bolsonaro, que é contrário ao isolamento social e favorável apenas a que os idosos fiquem em quarentena. Por meio de nota oficial, os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, declararam que Mandetta “foi um verdadeiro guerreiro em prol da saúde pública” e que o tralbaho responsável e dedicado do ex-ministro foi “irreparável”. Alcolumbre e Maia esperam que Bolsonaro não tenha demitido Mandetta para acabar com o isolamento social e insistir no que chamaram de “falso conflito entre saúde e economia”. Ao desejarem sorte ao novo ministro Nelson Teich, os presidentes do Senado e da Câmara pediram que ele dê continuidade ao bom trabalho do Ministério da Saúde “agindo de forma vigorosa, de acordo com as melhores técnicas científicas”. Ao criticar a demissão de Mandetta, o senador Randolfe Rodrigues, da Rede Sustentabilidade do Amapá, espera que o novo ministro não se deixe levar pelo alinhamento ideológico com o presidente da República. (Randolfe) Demitir o ministro da Saúde no meio da mais grave crise sanitária de todos os tempos em nosso país é temerário e chega a beirar a irresponsabilidade. Eu espero que o novo ministro da Saúde assuma sobre o signo de ser orientado pela ciência e pela medicina. REP: Apesar de destacar o reconhecimento público do ex-ministro Mandetta, o vice-líder do Democratas, senador Marcos Rogério, de Rondônia, ponderou que o presidente da República tem o direito de demitir assessores. Ele não acredita que o novo ministro da Saúde afrouxará o isolamento social para atender Bolsonaro. (Marcos) Não acho que deve mudar muita coisa por mais que haja apelos por parte do presidente e de alguns setores da sociedade para mudanças na condução do tratamento à pandemia. Essas decisões têm que ser cada vez mais técnicas. Não se trata de uma decisão política, de uma escolha política. O Ministério da Saúde é o ministério que tem a responsabilidade de conduzir as políticas de enfrentamento à covid-19. REP: Ao afirmar que Mandetta saiu pela porta da frente, o senador Nelsinho Trad, do PSD de Mato Grosso do Sul, declarou que a demissão já era esperada. (Trad) Ele tem uma convicção térmica diferente da convicção formada pelo presidente da República. Isso gerou um desconforto de relacionamento entre ambos e a prerrogativa e a legitimidade da nomeação são do chefe do Executivo, que acabou colocando uma pessoa alinhada com os seus pensamentos no que tange à conciliação de prioridade saúde e economia. REP: O senador Humberto Costa, do PT de Pernambuco, afirmou que Bolsonaro jamais aceitou o isolamento social e desdenhou do coronavírus. Para ele, a demissão de Mandetta foi política. (Humberto) O ministro vai ser demitido pelos erros cometido, e os cometeu, mas está sendo demitido por erros, mas pelo que fez de certo por seguir as orientações. É também uma demonstração clara da fragilidade de sua personalidade e uma outra razão que o fez demitir o ministro Mandetta é o fato de que o ministro conseguiu ter junto à população uma popularidade que agora o Bolsonaro inveja. REP: O novo ministro da Saúde, Nelson Teich, é oncologista, foi consultor na área de saúde na campanha de Bolsonaro e é fundador do Instituto COI, que faz pesquisas sobre câncer. Da Rádio Senado, Hérica Christian.

Por meio de nota, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), lamentou a demissão de Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde e espera que essa troca não signifique um afrouxamento nas regras de isolamento social. Para o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), a demissão é irresponsável por ocorrer no meio da pandemia. Já o vice-líder do DEM, senador Marcos Rogério (RO), não acredita que o novo ministro Nelson Teich cederá às pressões de Bolsonaro para acabar com a quarentena. Já o senador Nelsinho Trad (PSD-MS) ponderou que Bolsonaro queria um ministro da Saúde com alinhamento ideológico. E Humberto Costa (PT-PE) declarou que Mandetta foi demitido por temor de Bolsonaro pelo aumento da popularidade do ex-ministro da Saúde. As informações são da repórter Hérica Christian.

TÓPICOS:
Amapá  Bolsonaro  Câmara dos Deputados  Câncer  Coronavírus  covid-19  Davi Alcolumbre  DEM  Economia  Idosos  Mato Grosso  Mato Grosso do Sul  Medicina  Ministério da Saúde  pandemia  Partidos  Pernambuco  Política  Presidente da República  PSD  PT  Rede  Rede Sustentabilidade  Rondônia  Saúde  Senador Davi Alcolumbre  Senador Humberto Costa  Senador Marcos Rogério  Senador Nelsinho Trad  Senador Randolfe Rodrigues  Sustentabilidade  Trabalho 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo