Pandemia

Senadores divergem sobre uso dos fundos eleitoral e partidário no combate a covid-19

02:23Senadores divergem sobre uso dos fundos eleitoral e partidário no combate a covid-19

Transcrição LOC: SENADORES DIVERGEM SOBRE POSSÍVEIS REPASSES DOS FUNDOS PARTIDÁRIO E ELEITORAL PARA AÇÕES DE COMBATE AO CORONAVÍRUS. LOC: AO CITAR A APROVAÇÃO DE DIVERSOS PROJETOS QUE TRATAM DA PANDEMIA, PRESIDENTE DO SENADO DEFENDE RECURSOS PARA A DEMOCRACIA. REPÓRTER HÉRICA CHRISTIAN TÉC (0416C05 - Hérica - Davi A - Alessandro V - Votação repasse dos fundos T: 2’23’’) Senadores de diversos partidos têm feito apelos recorrentes para o Plenário votar projetos que transfiram os recursos dos Fundos Partidário e Eleitoral para ações de combate ao coronavírus. Lasier Martins, do Podemos do Rio Grande do Sul, e Randolfe Rodrigues, da Rede Sustentabilidade do Amapá, insistem que R$ 3 bilhões destinados às legendas poderiam ser repassados para a área da Saúde. Sob o argumento de que a democracia precisa de financiamento, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, do Democratas do Amapá, defendeu a manutenção dos Fundos Partidário e Eleitoral. Ele citou que o Congresso Nacional aprovou diversos projetos relacionados ao coronavírus e que um eventual “reforço” dos Fundos não significa muito nos gastos já feitos pelo governo. (Davi) Estamos nós todos aqui defendendo a vida dos brasileiros aprovando matérias importantes, apoiando o governo nas ações fundamentais. Mais de R$ 500 bilhões já foram disponibilizados e recursos para apoiar as empresas, para apoiar os empregos dos brasileiros e para cuidar da vida dos brasileiros. Da mesma forma que eu continuarei defendendo a vida dos brasileiros, vamos defender a vida da democracia. REP: Em meio às divergências, o senador Alessandro Vieira, do Cidadania de Sergipe, pediu a votação do projeto que faculta às próprias legendas fazerem os repasses dos Fundos Partidário e Eleitoral para o Fundo Nacional de Saúde. (Alessandro) O projeto de lei 870, que não faz uma transferência compulsória desse fundo, obrigatória, não é demagogia e nem faz um ataque compulsória à democracia. Ele abre apenas a possibilidade para que as direções partidárias possam transferir voluntariamente esses recursos de volta para a União para que se faça o combate. E aqueles que acham que o Fundo Eleitoral é indispensável morrem abraçados com o Fundo. Aqueles que entenderem que é possível fazer neste momento campanha eleitoral de uma forma mais simples, mais humilde, mais pé no chão, mais barata, fazem a transferência dos recursos. REP: Apesar de estarem no Plenário, os projetos que repassam os recursos dos Fundos Eleitoral e Partidário para o Fundo Nacional de Saúde ainda não têm data para serem votados. PLNs 870/2020, 1123/2020 e 772/2020

Senadores de diferentes partidos pediram a votação de projetos que repassam os recursos dos fundos eleitoral e partidário para ações de combate ao coronavírus. Os de autoria de Lasier Martins (Podemos-RS) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP) garantiriam um reforço de R$ 3 bilhões para a área da saúde. Mas o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou que os recursos do Fundos bancam a democracia e não são significativos se comparados aos R$ 500 bilhões gastos pelo governo. Em meio à divergência, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) pediu a votação do projeto que torna facultativo aos dirigentes partidários a doação dos recursos dos fundos. As informações são da repórter Hérica Christian.

TÓPICOS:
Amapá  Campanha Eleitoral  Cidadania  Congresso Nacional  Coronavírus  Davi Alcolumbre  DEM  Democracia  Empresas  Fundo Nacional de Saúde  pandemia  Partidos  Podemos  Rede  Rede Sustentabilidade  Rio Grande do Sul  Saúde  Senador Alessandro Vieira  Senador Davi Alcolumbre  Senador Lasier Martins  Senador Randolfe Rodrigues  Sergipe  Sustentabilidade  União 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo