Covid-19

Senadores criticam segunda mudança no comando do Ministério da Saúde durante a pandemia

01:59Senadores criticam segunda mudança no comando do Ministério da Saúde durante a pandemia

Transcrição LOC: DEPOIS DE 28 DIAS, NELSON TEICH PEDIU EXONERAÇÃO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE. LOC: SENADORES CRITICAM A CONDUÇÃO DA ÁREA PELO GOVERNO DE JAIR BOLSONARO DURANTE A PANDEMIA DO CORONAVÍRUS. A REPORTAGEM É DE RODRIGO RESENDE: TÉC: Senadores de diversos partidos criticaram uma nova mudança no comando do Ministério da Saúde durante a pandemia do novo coronavírus. Nelson Teich, que havia substituído Luiz Henrique Mandetta, ficou 28 dias no cargo. Foi o que ressaltou o senador Weverton, do PDT do Maranhão: Weverton – Em plena pandemia, menos de um mês, dois ministros da saúde passaram pelo governo do presidente Bolsonaro. (REP) Major Olímpio, do PSL de São Paulo, afirmou que Nelson Teich preservou a biografia: Major Olímpio – Teich não quis rasgar seu diploma nem jogar fora sua história de vida. Ele ficou do lado da ciência e da medicina. (REP) Para Eliziane Gama, do Cidadania do Maranhão, outro fator que pesou no pedido de exoneração de Teich foi a resistência de Jair Bolsonaro em não incentivar determinações da OMS: Eliziane – 8” – O ministro foi forçado a não fazer a defesa do isolamento social, principal recomendação hoje da Organização Mundial da Saúde (REP) Jair Bolsonaro também foi criticado por Rogério Carvalho, do PT de Sergipe: Rogério – Pela sua insistência, pelo seu negacionismo à ciência e aos métodos adequados para cuidar da vida e combater a pandemia (REP) E Alessandro Vieira, do Cidadania de Sergipe, afirmou que o presidente quer na saúde alguém que siga suas ordens, mas não a ciência: Alessandro – Ele quer uma pessoa que cumpra suas ordens sem pensar, mesmo rasgando a ciência, mesmo indo contra aquilo que a ciência determina. (REP) Antônio Anastasia, do PSD de Minas Gerais, afirmou que o único foco neste momento deve ser salvar vidas e preservar a saúde das pessoas e que essa instabilidade é prejudicial ao país. Eduardo Braga, do MDB do Amazonas, defendeu uma condução responsável e equilibrada em meio à pandemia. Fabiano Contarato, da Rede Sustentabilidade do Espírito Santo, afirmou que o Ministério da Saúde, sem se guiar pela ciência, não gozará de nenhuma credibilidade. Da Rádio Senado, Rodrigo Resende.

Senadores de diversos partidos criticaram a segunda mudança no comando do Ministério da Saúde durante a pandemia do coronavírus. Nelson Teich, que havia substituído Luiz Henrique Mandetta, ficou por 28 dias como ministro da Saúde. A reportagem é de Rodrigo Resende, da Rádio Senado.

TÓPICOS:
Amazonas  Bolsonaro  Cidadania  Coronavírus  Espírito Santo  História  Maranhão  MDB  Medicina  Minas Gerais  Ministério da Saúde  OMS  Organização Mundial da Saúde  pandemia  Partidos  PDT  PSD  PSL  PT  Rede  Rede Sustentabilidade  São Paulo  Saúde  Senador Alessandro Vieira  Senador Eduardo Braga  Senador Fabiano Contarato  Senador Rogério Carvalho  Senadora Eliziane Gama  Sergipe  Sustentabilidade  covid-19 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo