Sessão especial

Senado homenageia em sessão especial os 46 anos da Eletronorte

02:51Senado homenageia em sessão especial os 46 anos da Eletronorte

Transcrição LOC: SESSÃO ESPECIAL NO SENADO HOMENAGEOU OS 46 ANOS DA ELETRONORTE, A SUBSIDIÁRIA DA ELETROBRAS QUE GERA ENERGIA PARA A AMAZÔNIA LEGAL. LOC: A INTENÇÃO DO GOVERNO DE PRIVATIZAR A ESTATAL FOI CRITICADA PELOS PRESENTES À CERIMÔNIA. REPORTAGEM DE IARA FARIAS BORGES. (Repórter) Criada em 20 de junho de 1973, a Eletronorte, além de gerar energia elétrica para os nove estados da Amazônia Legal, ainda vende luz para os demais estados. São quatro as hidrelétricas da estatal – Tucuruí, no Pará, que é a maior usina genuinamente brasileira e a quarta do mundo; Coaracy Nunes, no Amapá; Samuel, em Rondônia e Curuá-Una, no Pará. Com mais de onze mil quilômetros de linhas de transmissão, a potência total gerada pela Eletronorte passa de nove mil megawatts. Apesar de o Brasil possuir diversas fontes com potencial energético, as hidrelétricas são as mais importantes por serem limpas e renováveis, disse presidente da Aneel, Agência Nacional de Energia Elétrica, André Pepitone. (André Pepitone) “Nos últimos anos, as usinas hidrelétricas foram demonizadas, foram marginalizadas, de maneira exagerada e de maneira muito pouco técnica. No balanço entre prós e contras, tenho absoluta certeza que prevalece as inúmeras vantagens da energia hidrelétrica que o nosso país tanto pode explorar”. (Rep): Preocupado com a intenção do governo em privatizar o sistema elétrico, o senador Weverton, do PDT do Maranhão, defendeu a manutenção de empresas públicas em setores estratégicos. (Weverton) “Eu não sei qual é o economista ou gestor que imagina que um país soberano e forte é um país, justamente, com tudo entregue para o capital estrangeiro e privado. Não é que nós sejamos contra a vinda da iniciativa privada, pelo contrário, ela pode vir ajudar o país, mas ela não pode vir comandar, principalmente, políticas estratégicas, como a nossa energética” (Repórter) Apenas uma empresa governamental poderia enfrentar o desafio de, na década de 70, levar energia para o Norte e ser lucrativa, ponderou o representante do Coletivo Nacional dos Eletricitários, Ícaro Chaves. Segundo ele, no ano passado, a Eletrobrás registrou um lucro de treze vírgula três bilhões de reais. Ícaro Chaves destacou que entre os desafios da empresa, agora, estão a conclusão da Usina de Belo Monte, a interligação de Roraima ao sistema elétrico nacional e a permanência da Eletrobras como empresa pública. ( Ícaro Chaves) “Estamos diante, talvez, do mais difícil desafio da Eletronorte, dos trabalhadores do grupo Eletrobras e - porque não dizer? – dos brasileiros: Que é o de manter essa empresa pública, que é o de manter essa empresa de todos os brasileiros”. (Repórter) A homenagem pelos 46 anos da Eletronorte foi uma iniciativa do senador Eduardo Braga, do MDB do Amazonas. A sessão especial foi presidida pelo senador Izalci Lucas, do PSDB do Distrito Federal.

O Senado homenageou em sessão especial os 46 anos da Eletronorte. Criada em 20 de junho de 1973, a Eletronorte, gera energia elétrica para os nove estados da Amazônia Legal, em mais de 11 mil quilômetros de linhas de transmissão e potência total gerada de mais de nove mil megawatts. Ao defender a construção de mais hidrelétricas no país, o presidente da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) André Pepitone, lembrou que essa forma de geração de energia é limpa e renovável. O representante do Coletivo Nacional dos Eletricitários, Ícaro Chaves, informou que, em 2018, a Eletrobrás registrou um lucro de R$ 13,3 bilhões e criticou a intenção do governo de privatizar a estatal. O senador Weverton (PDT-MA) defende a manutenção estatal de setores estratégicos como o energético. Reportagem, Iara Farias Borges.

TÓPICOS:
Amapá  Amazônia  Amazonas  Distrito Federal  Eletrobras  Empresas  Energia  Estados  Hidrelétrica  Homenagem  Maranhão  Pará  PDT  PSDB  Rondônia  Roraima  Senador Eduardo Braga  Senador Izalci Lucas 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo