Votações

Senado aprova MP que cria programa para reduzir fraudes no INSS

02:47Senado aprova MP que cria programa para reduzir fraudes no INSS

Transcrição LOC: PLENÁRIO APROVA A MEDIDA PROVISÓRIA QUE CRIA O PROGRAMA ESPECIAL PARA ANÁLISE DE BENEFÍCIOS COM INDÍCIOS DE IRREGULARIDADE E O PROGRAMA DE REVISÃO DE BENEFÍCIOS POR INCAPACIDADE. LOC: CONTRÁRIA À MP, OPOSIÇÃO CITOU DIFICULDADES PARA A CONCESSÃO DA APOSENTADORIA RURAL, MAS GOVERNO ALEGA ECONOMIA DE DEZ BILHÕES DE REAIS POR ANO COM O COMBATE A FRAUDES NO INSS. REPÓRTER HÉRICA CHRISTIAN: TÉC: Segundo a Medida Provisória 871, o pente fino no INSS será feito para evitar o acúmulo e o pagamento indevidos de benefícios, incluindo o BPC, a pensão por morte e o auxílio-doença. A MP estabelece um prazo de 30 dias para trabalhadores urbanos e de 60 dias para os rurais apresentarem a defesa antes da suspensão do pagamento e de mais um mês no caso de recursos contra o cancelamento. Um dos pontos polêmicos é a mudança para a concessão de aposentadoria rural. Segundo a MP, a partir de 2023, o trabalhador precisará ser cadastrado no Ministério da Agricultura. Até lá, a comprovação do tempo de atividade rural será feita por autodeclaração ratificada pelo Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural – o Pronater – de cada estado. O líder do PT, senador Humberto Costa, de Pernambuco, destacou que a MP acaba com a validação dos sindicatos rurais e de documentos usados para comprovar o trabalho no campo, a exemplo dos blocos de nota e de contratos de arrendamento. (H.Costa) Ela na verdade é uma prévia da Reforma da Previdência. Sob o argumento de fazer um pente-fino e combater a corrupção, na verdade ela estimula que sejam retirados direitos de pessoas extremamente pobres que terão que se submeter a perícias cada vez mais precárias da exiguidade do tempo para isso e sempre com o critério mais rígido. REP: O líder do governo, senador Fernando Bezerra Coelho, do MDB de Pernambuco, anunciou que será vetado o artigo que permitia ao INSS acessar dados da Receita Federal. Segundo ele, a Previdência poderá se valer de informações do SUS e do FGTS e solicitar prontuários de médicos particulares. Bezerra destacou que a MP vai economizar R$ 10 bilhões com o combate às fraudes. (Bezerra) É a preliminar da Reforma da Previdência. Não se pode mudar a Previdência sem combater a sonegação e a fraude. É muito importante. Essa não é a matéria que divide o partido. Essa é uma matéria que interessa ao Brasil: combater e eliminar fraude e sonegação. REP: A MP mantém a exigência de prova de vida anual de aposentados e pensionistas. Mas aqueles com deficiência e acima de 80 anos receberão a visita de um servidor do INSS em casa. E o projeto ainda limita o pagamento de auxílio-reclusão aos presos que cumprem pena em regime fechado desde que tenham contribuído por 24 meses. Aqueles em regime semi-aberto perderão o benefício. Da Rádio Senado, Hérica Christian. MP 871

Segundo a Medida Provisória 871, o pente fino no INSS será feito para evitar o acúmulo e o pagamento indevidos de benefícios. A MP estabelece um prazo para a defesa antes da suspensão ou cancelamento do pagamento. Um dos pontos polêmicos é a mudança para a concessão de aposentadoria rural. O líder do PT, senador Humberto Costa (PE), destacou que a MP inviabiliza as aposentadorias rurais. O líder do governo, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), anunciou que será vetado o artigo que permitia o INSS acessar dados da Receita Federal. Ele destacou que a MP vai economizar R$ 10 bilhões com o combate às fraudes.  A Medida Provisória limita o pagamento de auxílio-reclusão apenas aos casos de pena em regime fechado. Os presos em regime semi-aberto perderão o benefício.  Repórter Hérica Christian.

TÓPICOS:
Agricultura  Aposentadoria  Aposentados  Corrupção  Economia  FGTS  INSS  Medida Provisória  Oposição  Pensionistas  Pernambuco  Previdência  PT  Receita Federal  Reforma da Previdência  Senador Fernando Bezerra Coelho  Senador Humberto Costa  Sindicatos  SUS  Trabalho 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo