Reunião remota

Pazuello deverá falar a senadores sobre notificação policial em caso de aborto legal

02:32Pazuello deverá falar a senadores sobre notificação policial em caso de aborto legal

Transcrição LOC: O MINISTRO INTERINO DA SAÚDE, EDUARDO PAZZUELO, TERÁ REUNIÃO COM OS SENADORES PARA EXPLICAR A PORTARIA QUE OBRIGA MÉDICOS A NOTIFICAR AUTORIDADES POLICIAIS SOBRE ABORTOS EM FUNÇÃO DE ESTUPROS, PREVISTOS DE FORMA LEGAL NO CÓDIGO PENAL. LOC: O ENCONTRO DEVE ACONTECER DE FORMA REMOTA, NO DIA 09 DE SETEMBRO. REPÓRTER RODRIGO RESENDE: (Repórter) O caso de uma criança de 10 anos estuprada e engravidada no Espírito Santo reacendeu a discussão sobre o aborto legal no país. A prática é permitida legalmente em 3 casos, quando a gravidez é resultado de um abuso sexual, quando existe risco para a saúde da mãe e no caso de fetos anencéfalos, que não possuem cérebro. A menina capixaba precisou viajar para outro estado para fazer o procedimento. Mesmo assim, a criança teve dados divulgados e grupos chamados “pró-vida” ainda fizeram pressão, inclusive na porta do hospital para que o procedimento legal não ocorresse. Mas o aborto se concretizou, de forma legal e segura. Após o fato, o Ministério da Saúde editou uma portaria que obriga a notificação à polícia dos casos de acolhimento de pacientes elegíveis ao aborto legal quando houver indícios ou confirmação de crime de estupro. A portaria oferece ainda a possibilidade que o médico mostre, antes do aborto, o feto à mulher vítima de estupro por meio de ultrassom. Para o ex-ministro da saúde, senador Humberto Costa, do PT de Pernambuco, as novas regras são desumanas: (Humberto Costa) a tendência de uma norma como essa é ampliar o processo do abortamento ilegal e inseguro, porque uma mulher que foi vítima de um estupro, uma criança que foi vítima de um pedófilo e engravidou com toda a certeza não vão querer ter uma continuidade de uma gestação nessas condições, e aí é fundamental que o SUS garanta o aborto legal, o aborto seguro, para que nós não percamos as vidas dessas mulheres ou dessas crianças. (Repórter) O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho, do MDB de Pernambuco, avisou que o Ministro interino da Saúde, Eduardo Pazzuelo, terá um encontro com os senadores para falar sobre a portaria: (Fernando Bezerra Coelho) Na reunião do Colégio de Líderes, o Líder do PT, Senador Rogério Carvalho, pediu uma audiência, através de videoconferência, de muitos Senadores e Senadoras preocupados com a portaria do Ministério da Saúde em relação à questão do estupro. E o Ministro Pazuello me pede para informar que ele fará essa videoconferência, por meio do aplicativo Zoom, na próxima quarta-feira, dia 09/9, às 14h30 (Repórter) Os senadores Paulo Rocha, do PT do Pará, Humberto Costa, do PT de Pernambuco e Zenaide Maia, do PROS do Rio Grande do Norte, apresentaram um projeto que quer cancelar a portaria apresentada pelo Ministério da Saúde. PROJETO: PDL 386/2020

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, terá uma reunião remota com senadores na próxima quarta-feira (09) para tratar da portaria que obriga médicos a comunicar a autoridades policiais procedimentos de abortos legais quando houver indício ou confirmação de crime de estupro. Senadores como Paulo Rocha (PT-PA), Humberto Costa (PT-PE) e Zenaide Maia (Pros-RN) apresentaram um projeto de decreto legislativo (PDL 386/2020) para cancelar a portaria. Mais informações com o repórter Rodrigo Resende, da Rádio Senado.

TÓPICOS:
Aborto  Abuso sexual  Código Penal  Espírito Santo  Estupro  MDB  Ministério da Saúde  Pará  Pernambuco  PROS  PT  Rio Grande do Norte  Senador Fernando Bezerra Coelho  Senador Humberto Costa  Senador Paulo Rocha  Senador Rogério Carvalho  Senadora Zenaide Maia  SUS 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo