Profissão

Paim comemora derrubada do veto a profissão de historiador

O senador Paulo Paim (PT-RS) comemorou a derrubada pelo Congresso do veto (VET 10/2020) ao projeto (PLS 368/2009) que regulamenta a profissão de historiador. Paim é o autor do projeto que, conforme o senador, atende a uma demanda de mais de 50 anos dessa categoria profissional. Reportagem de Regina Pinheiro.


SCD 3/2015


14/08/2020, 16h33 - ATUALIZADO EM 14/08/2020, 17h30
Duração de áudio: 02:05

Senador Paulo Paim (PT-RS) em pronunciamento via videoconferência.

Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado
Foto: Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado

Transcrição
LOC: PAULO PAIM CELEBRA REJEIÇÃO DO VETO À PROPOSTA QUE REGULAMENTA A PROFISSÃO DE HISTORIADOR LOC: O SENADOR É O AUTOR DO PROJETO QUE CRIA REQUISITOS PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL. REPÓRTER REGINA PINHEIRO TÉC: Ao seguir para sanção presidencial, o projeto foi vetado integralmente sob a justificativa de que a regulamentação da profissão de historiador restringe o livre exercício profissional. Mas na última sessão do Congresso, deputados e senadores rejeitaram o veto. O autor do projeto, senador Paulo Paim, do PT do Rio Grande do Sul, comemorou a derrubada do veto, enfatizando o esforço de mais de 50 anos para a regulamentação da profissão. Paim conta que em 1968, o deputado Ewaldo de Almeida Pinto apresentou projeto com esse objetivo, acatando uma sugestão do jornalista Heródoto Barbeiro, na época presidente da Federação Brasileira de Centros de Estudos Históricos. O senador explica que no ano de 2009 apresentou o projeto atendendo ao pedido dos historiadores. (Paim) Em 2009, a categoria pediu para que eu apresentasse a proposta, o fiz. As redes sociais foram fundamentais na mobilização e na argumentação para que o veto fosse rejeitado conforme um grande entendimento que uniu todos os deputados e todos os senadores. François Dosse já dizia: "O historiador tem um papel de destaque: o de narrar à nação, de pôr em ordem seu passado para antecipar o futuro". O que nos foi escondido e negado vem à tona graças à História. Viva a verdade, a História e os historiadores! (Rep): Conforme a nova lei, a profissão de historiador poderá ser exercida por quem tiver diploma de curso superior em História, expedido por instituição brasileira ou estrangeira e revalidado no Brasil. Além de Mestres e Doutores em História, poderão exercer a atividade profissionais diplomados em outras áreas que tenham trabalhado, comprovadamente, há mais de cinco anos como historiadores. Da Rádio Senado, Regina Pinheiro

Ao vivo
00:0000:00