Comissões

Mauro Vieira virá ao Senado falar sobre telegramas enviados pelo Itamaraty com alerta de golpe

O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, virá ao Senado no dia 14 de abril para falar sobre telegramas enviados pelo Itamaraty às embaixadas brasileiras com mensagens sobre o risco de um golpe político no Brasil. Três requerimentos pedindo a vinda do ministro foram apresentados à Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE). Para o presidente da Comissão, senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB – SP), embora o Itamaraty tenha informado que os telegramas foram emitidos sem autorização superior e que o funcionário foi desautorizado, é preciso esclarecer o episódio.

31/03/2016, 13h38 - ATUALIZADO EM 31/03/2016, 13h50
Duração de áudio: 02:00
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Transcrição
LOC: O MINISTRO DAS RELAÇÕES EXTERIORES, MAURO VIEIRA, VIRÁ AO SENADO NO DIA 14 DE ABRIL PARA FALAR SOBRE TELEGRAMAS ENVIADOS PELO ITAMARATY ÀS EMBAIXADAS BRASILEIRAS COM MENSAGENS SOBRE O RISCO DE UM GOLPE POLÍTICO NO BRASIL. LOC: TRÊS REQUERIMENTOS PEDINDO A VINDA DO MINISTRO FORAM APRESENTADOS À COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL. REPÓRTER NARA FERREIRA: TÉC: Um dos autores do pedido, senador Ricardo Ferraço, do PSDB do Espírito Santo, disse que foram enviados três telegramas pelo Itamaraty no dia 19 de março, supostamente patrocinados pelo ministro Milton Rondó Filho, responsável pela área de combate à fome do Ministério. Segundo Ferraço, uma das mensagens chega a retransmitir uma nota da Associação Brasileira de Organizações Não-Governamentais com os dizeres “Não ao Golpe! Nossa luta continua!”. Para o senador, o fato de um servidor de alto posto do Ministério das Relações Exteriores utilizar a máquina pública para difundir para embaixadas documentos panfletários e partidarizados é uma irresponsabilidade que requer esclarecimentos. (FERRAÇO) O Itamaraty não pode continuar sendo órgão de governo, precisa retomar a sua tradição e reputação de ser órgão do estado e impedir que esse tipo de militância partidária difamando o nosso país e nossas instituições possam promover negativamente o nosso país. (REPÓRTER) O presidente da Comissão, senador Aloysio Nunes Ferreira, do PSDB de São Paulo, disse que o Itamaraty já informou que os telegramas foram emitidos sem autorização superior e que o funcionário foi desautorizado. Mas, para Aloysio Nunes, é preciso esclarecer o episódio. (ALOYSIO): uma das características do Brasil que nos diferencia para melhor de muitos países emergentes, é o fato de termos aqui instituições democráticas que funcionam... e é espandoso que um funcionário do Itamaraty se dedique a isso, algo que prejudica o país objetivamente. (REPÓRTER) Também pediram a vinda do ministro os senadores Aécio Neves, do PSDB mineiro, e Ronaldo Caiado, do Democratas de Goiás. Já a senadora Ana Amélia, do PP gaúcho, quer abordar com o ministro as notícias sobre uma suposta negociação com a Embaixada da Itália para concessão de asilo político para o ex-presidente Lula. Da Rádio Senado, Nara Ferreira.

Ao vivo
00:0000:00