Comissões

Liminar do STF revoga efeitos da MP 849 e obriga reajuste de servidores a partir de janeiro de 2019

01:53Liminar do STF revoga efeitos da MP 849 e obriga reajuste de servidores a partir de janeiro de 2019

Transcrição LOC: O ORÇAMENTO DE 2019 APROVADO PELO CONGRESSO NACIONAL CONTEMPLA REAJUSTE DOS SERVIDORES PÚBLICOS A PARTIR DE JANEIRO. LOC: O MINISTRO DO SUPERMO TRIBUNAL FEDERAL, RICARDO LEWANDOWSKI, REVOGOU OS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA 849, QUE ADIAVA O AUMENTO PARA 2020. REPÓRTER MAURÍCIO DE SANTI: TÉC: A justificativa do governo para tentar adiar o reajuste foi a de que as negociações aconteceram em 2016 e tiveram como base uma previsão de inflação superior ao que se verificou de fato, o que acarretou ganhos reais para as categorias contempladas. Além disso, logo após a concessão dos aumentos, o Brasil entrou numa forte crise fiscal, com um rombo estimado em 139 bilhões de reais nas contas públicas em 2019. Para reduzir esse déficit e cumprir o teto de gastos, o governo editou a medida provisória adiando os reajustes para 2020. A liminar do ministro Ricardo Lewandowski revoga os efeitos dessa MP e obriga o pagamento em janeiro. O líder do atual governo, senador Romero Jucá, disse que esse será um problema para o futuro presidente da República resolver: (ROMERO JUCÁ): O ministro Lewandowsky deu uma liminar derrubando a medida provisória. Então, em tese, a partir de primeiro de janeiro começa a valer o aumento dos servidores. O que vai fazer o novo governo de Jair Bolsonaro nós vamos ter que aguardar para ver. (MAURÍCIO): O Palácio do Planalto não conseguiu convencer sequer a sua base de apoio no Congresso Nacional da urgência da medida provisória. A Comissão Mista que é o primeiro passo para a aprovação da matéria no Legislativo foi instalada, mas nem chegou a trabalhar. Na opinião da senadora Ângela Portela, do PDT de Roraima, isso aconteceu porque a medida provisória fere a Constituição: (ÂNGELA PORTELA): A suspensão do reajuste é inconstitucional, pois afronta os princípios da irredutibilidade de vencimentos e a garantia do direito adquirido, ambos previstos na Carta de 88. (REPÓRTER): O Orçamento da União aprovado pelo Congresso Nacional manteve os recursos necessários para pagar o reajuste dos servidores públicos em janeiro, apesar da tentativa do governo de adiar o aumento. Da Rádio Senado, Maurício de Santi. MP 849/2018

O governo federal não vai poder adiar para 2020 o reajuste dos servidores públicos, como previsto em Medida Provisória (MPV 849/2018). É que os efeitos da MP foram suspensos por decisão liminar do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal. A Comissão Mista do Congresso Nacional que deveria examinar a medida provisória, que foi editada em 31 de agosto pelo presidente Michel Temer, sequer começou a trabalhar.

TÓPICOS:
Congresso Nacional  Contas Públicas  Inflação  Medida Provisória  Michel Temer  Orçamento da União  PDT  Presidente da República  Ricardo Lewandowski  Roraima  Senadora Angela Portela  Senador Romero Jucá  Servidores públicos  Supremo Tribunal Federal 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo