Comissões

Infraestrutura debate plano estratégico da Região Norte para reduzir custos de produção

02:34Infraestrutura debate plano estratégico da Região Norte para reduzir custos de produção

Transcrição LOC: INVESTIMENTOS NO ARCO NORTE SÃO NECESSÁRIOS PARA REDUZIR O CUSTO DE PRODUÇÃO E DE EXPORTAÇÃO DA PRODUÇÃO BRASILEIRA. LOC: O ASSUNTO FOI DEBATIDO EM AUDIÊNCIA PÚBLICA NA COMISSÃO DE INFRAESTRUTURA. REPORTAGEM DE IARA FARIAS BORGES. TÉC: O Plano Estratégico do Arco Norte visa integrar os portos e as estações de transbordos dos estados de Rondônia, Amazonas, Pará, Amapá e Maranhão. Essa região é fundamental para o escoamento da produção, com menor custo, ponderou o diretor da Antaq, Agência Nacional de Transportes Aquaviários, Adalberto Tokarski. Ao citar que o Brasil exporta 40% dos quase 367 milhões de toneladas de toda a soja produzida no mundo, ele defendeu investimentos, inclusive privados, no Arco Norte. (Torkaski): “Nós estamos produzindo mais, exportando mais no Arco Norte. Qual é o futuro e é importante para o Brasil? É você aumentar essa exportação pelo Arco Norte porque sai dos portos da Região Norte, que fica o quê? Mais perto da Europa, fica mais perto do Leste dos Estados Unidos e fica mais perto do Canal de Panamá, que foi duplicado, que aí você consegue chegar na China num custo menor”. (Rep): O eficiente escoamento da produção depende da integração de diversos modais de transportes. Representando o Dnit, Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, Luiz Guilherme de Mello explicou que já estão sendo feitas obras, estudos e projetos para a construção e manutenção de rodovias, bem como para a substituição de pontes de madeira por concreto. Só para as rodovias, serão investidos mais de um bilhão de reais. O senador Wellington Fagundes, do PL de Mato Grosso, destacou que apesar de pequena, a infraestrutura já instalada no Arco Norte tem facilitado o transporte da produção. (Fagundes): A gente sabe que se não fosse os portos do Arco Norte, se não fosse essa possibilidade da saída também pelas estradas que temos lá – a 364 a 163 -, com certeza, o Brasil não teria como escoar essa produção”. (Rep): O senador Zequinha Marinho, do PSC do Pará, que pediu o debate, quer garantir dinheiro para investimento no Arco Norte. (Marinho): “A gente precisa trabalhar de forma pesada, vamos atuar junto à Comissão de Orçamento, da qual sou membro, vamos conversar muito com o presidente da comissão, com o relator, para que a gente possa garantir aos senhores, pelo menos, boa parte dos recursos de que nós vamos precisar para avançar com a logística do Arco Norte”. (Rep): Também participaram da audiência representantes da Conab, Companhia Nacional de Abastecimento, e do Sindicato dos Operadores Portuários do Estado do Pará. Da Rádio Senado, Iara Farias Borges. - REQ 10/2019 – CI - REQ 30/2019 – CI

A Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) debateu o Plano Estratégico do Arco Norte, que visa integrar os portos e as estações de transbordos dos estados de Rondônia, Amazonas, Pará, Amapá e Maranhão. A região é considerada fundamental para o escoamento da produção agrícola brasileira, com redução de custos. O senador Wellington Fagundes (PL-MT) ressaltou que, mesmo sem grandes investimentos, o Arco Norte já contribui para o transporte da safra. O senador Zequinha Marinho (PSC-PA), que pediu o debate, quer garantir dinheiro para investimento no Arco Norte. Participaram do debate representantes da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e do Sindicato dos Operadores Portuários do Estado do Pará. Reportagem, Iara Farias Borges.

TÓPICOS:
Amapá  Amazonas  Antaq  China  CI  Comissão de Serviços de Infraestrutura  Dnit  Estados  Estados Unidos  Europa  Infraestrutura  Investimentos  Logística  Maranhão  Mato Grosso  Orçamento  Pará  Portos  PSC  Região Norte  Rodovias  Rondônia  Senador Wellington Fagundes  Senador Zequinha Marinho  Transportes  Comissões 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo