Audiência pública

Guedes afirma que auxílio emergencial vai até dezembro

O ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou a prorrogação do auxilio emergencial até dezembro, durante audiência pública na comissão que acompanha as medidas do governo para combater o novo coronavírus. O benefício será reduzido a R$ 300,00. Segundo Guedes, vem “uma enxurrada de dinheiro” até o fim do ano. Ele também disse que não quis ofender os parlamentares ao afirmar que a derrubada do veto que proibia o aumento do funcionalismo foi um “crime contra o país”. O líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), informou que a explicação foi repassada ao autor do convite para que Guedes esclarecesse a declaração, o presidente do Senado Davi Alcolumbre. A reportagem é de Marcella Cunha.

01/09/2020, 13h39 - ATUALIZADO EM 01/09/2020, 15h16
Duração de áudio: 02:11
Foto: Pedro França/Agência Senado

Transcrição
LOC: PAULO GUEDES CONFIRMA À COMISSÃO DA COVID-19 QUE O AUXÍLIO EMERGENCIAL PASSARÁ PARA 300 REAIS E VAI ATÉ DEZEMBRO LOC: O MINISTRO DA ECONOMIA TAMBÉM DISSE QUE NÃO QUIS OFENDER O SENADO QUANDO CHAMOU DE CRIME A DERRUBADA DO VETO QUE PROIBIA O AUMENTO DO FUNCIONALISMO. A REPORTAGEM É DE MARCELLA CUNHA (Repórter) O ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou a prorrogação do auxílio emergencial até o fim do ano durante a audiência pública na comissão que acompanha as ações do governo de combate à pandemia. Serão mais quatro parcelas de 300 reais. Com isso, o benefício vai chegar a 4 mil e duzentos reais até dezembro, para quem recebeu as 9 parcelas. O valor é dobrado para mães chefes de família. Segundo Guedes, menos da metade dos recursos liberados foram pagos, já que levou tempo para identificar potenciais beneficiários fora de cadastros sociais. (Paulo Guedes) Não chegou nem a metade do dinheiro ainda. Ainda vem 55% dos recursos daqui até o fim do ano, vem uma enxurrada de dinheiro até o fim do ano. Além disso, vem 37 bilhões do FGTS que começaram a ser liberados agora. (Repórter) Guedes também reforçou que não quis ofender os parlamentares quando chamou de crime contra o país o voto pela derrubada do veto que impedia o reajuste de servidores. (Paulo Guedes) O que os senhores ouviram foi o lamento de uma pessoa, a decepção de uma pessoa, depois de acordo públicos entre o Senado, a Câmara e a Presidência e eu me senti absolutamente abandonado e isolado. (Repórter) O Senado aprovou, por unanimidade, um convite para que fosse explicada a declaração. O líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes, do MDB de Tocantins, afirmou ter compreensão absoluta das palavras de Guedes e do respeito do ministro pelo Congresso Nacional. (Eduardo Gomes) Principalmente conforto de que o presidente Davi Alcolumbre, que é o autor do requerimento, sabe já dessa notícia então a partir de agora é retomarmos a nossa linha de aprovação das reformas e de atendimento aos estados e municípios. Ninguém reforma o estado sem discutir, sem brigar, sem divergir, mas quando a causa é bom o resultado é bom para a população. (Repórter) O presidente da comissão, senador Confúcio Moura, do MDB de Rondônia, também disse que encaminharia o esclarecimento de Guedes para o presidente do Senado, Davi Alcolumbre.

Ao vivo
00:0000:00