Orçamento

Falta de acordo adia votação de projeto que libera cerca de R$ 250 bilhões para o governo

02:21Falta de acordo adia votação de projeto que libera cerca de R$ 250 bilhões para o governo

Transcrição LOC: FALTA DE ACORDO ADIA VOTAÇÃO DO PROJETO QUE VAI LIBERAR CERCA DE DUZENTOS E CINQUENTA BILHÕES DE REAIS PARA O GOVERNO. LOC: OPOSIÇÃO QUESTIONA O VALOR DO MONTANTE E TENTA NEGOCIAR O REPASSE DE MAIS DINHEIRO PARA EDUCAÇÃO. REPÓRTER HÉRICA CHRISTIAN: (Repórter) O presidente da Comissão Mista de Orçamento, Marcelo Castro, do MDB do Piauí, minimizou o adiamento da votação do chamado PLN 4. O projeto autoriza o governo a descumprir a regra de ouro por meio da venda de títulos públicos para pagar despesas correntes no valor de R$ 248 bilhões. A Constituição só permite a operação nos casos de investimentos. Marcelo Castro já acertou com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, do Democratas do Amapá, a convocação do Congresso Nacional para o dia 12. Segundo ele, a sessão desta quarta-feira será para a apreciação dos vetos. (Marcelo Castro) O que é que nós combinamos com o presidente Davi Alcolumbre? Vamos votar os 23 vetos, limpar a pauta para na terça-feira a gente votar o PLN 4 na Comissão Mista de Orçamento. E na quarta-feira ele convoca o Congresso e a gente vai aprovar e trazer essa tranquilidade para o povo brasileiro. (Repórter) Contrário ao aumento do endividamento público, o senador Angelo Coronel, do PSD da Bahia, questiona o valor a ser liberado. (Angelo Coronel) O governo pede primeiramente R$ 95 bilhões, depois o Guedes anuncia R$ 140 milhões, depois manda um PLN com R$ 248 bilhões. O Banco Central gerou um lucro de R$ 148 bilhões, ou seja, se fizer a conta matemática, e eu sou engenheiro, precisaria de R$ 95 milhões. O governo não quer abrir essas contas para o Congresso. O governo quer um cheque em branco e ficar com esse dinheiro em caixa. (Repórter) O senador Flávio Bolsonaro, do PSL do Rio de Janeiro, alertou que sem esse dinheiro o governo deixará de pagar benefícios sociais. (Flávio Bolsonaro) O Congresso Nacional é responsável e jamais vai contribuir para que as pessoas que mais necessitam fiquem sem receber esse pagamento. Então, vejam bem. O Bolsonaro defendendo o Bolsa-Família, o trabalhador rural, os idosos. Nós temos essa responsabilidade. Então, a gente conta com apoio de todo o Congresso Nacional porque, caso contrário, não há outra forma de garantir o pagamento a essas pessoas. (Repórter) A Comissão Mista de Orçamento volta a se reunir na terça-feira para votar o projeto que vai liberar R$ 248 bilhões para o governo bancar os benefícios sociais. PLN 4

O presidente da Comissão Mista de Planos, Orçamento Público e Fiscalização (CMO), senador Marcelo Castro (MDB-PI), já acertou com o presidente do Senado, senador Davi Alcolumbre (DEM – AP), a convocação do Congresso Nacional para quarta-feira (12) para votar o Projeto de Lei do Congresso Nacional que abre aos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social da União, em favor dos Ministérios da Economia e da Cidadania, crédito suplementar no valor de R$ 248.915.621.661,00 (PLN 4). Contrário ao aumento do endividamento público, o senador Angelo Coronel (PSD-BA) questiona o valor a ser liberado. O senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) alerta que sem esse dinheiro o governo deixará de pagar benefícios sociais.

TÓPICOS:
Amapá  Bahia  Banco Central  Bolsa Família  Bolsonaro  Comissão Mista de Orçamento  Congresso Nacional  Davi Alcolumbre  Família  Idosos  Oposição  Orçamento  Piauí  PSD  PSL  Rio de Janeiro  Senador Angelo Coronel  Senador Davi Alcolumbre  Senador Flávio Bolsonaro  Senador Marcelo Castro  Vetos  CMO  Crédito  DEM  Economia  Fiscalização  Seguridade Social 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo