Eleitor renova 68,5% das vagas em disputa no Senado

LOC: DAS 54 CADEIRAS EM DISPUTA NO SENADO NAS ELEIÇÕES DESTE ANO, 37 DEVERÃO TER NOVOS OCUPANTES A PARTIR DE PRIMEIRO DE FEVEREIRO DE 2011. LOC: ESSE NÚMERO PODERÁ SER ALTERADO QUANDO O SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL TOMAR UMA DECISÃO SOBRE A VALIDADE DA LEI DA FICHA LIMPA. TÉC: Uma renovação de 68 e meio por cento. Esse é o resultado da eleição para as 54 vagas no Senado que estavam em disputa neste ano. Trinta e sete cadeiras deverão ter novos ocupantes a partir de primeiro de fevereiro de 2011, quando tomam posse os eleitos nesse domingo. Esse número poderá ter uma pequena variação por causa da indefinição em torno da validade da Lei da Ficha Limpa, que deixa em aberto quem será o titular da segunda vaga para o Senado em quatro estados: Pará, Rondônia, Amapá e Paraíba. Dos 27 senadores que disputavam a reeleição, 17 conseguiram renovar o mandato. Um deles foi Delcídio Amaral, do PT de Mato Grosso do Sul. Ele credita a reeleição ao reconhecimento do trabalho que desenvolveu no Senado nos últimos oito anos. (DELCÍDIO) Eu sempre tive um mandato muito presente, andando no meu estado, trabalhando, assumindo compromisso, um mandato transparente, prestando contas. Eu acho que o que aconteceu comigo é um reconhecimento que eu tive do povo de Mato Grosso do Sul. (REPÓRTER) Randolfe Rodrigues, do PSOL do Pará, está no grupo de 33 eleitos que nunca exerceram mandato no Senado. E Randolfe, que tem 37 anos, vai chegar na condição de senador mais novo do País. (RANDOLFE) O povo do Amapá votou por mudanças. Isso me dá uma responsabilidade enorme. Além do povo ter me elegido senador da República com 37 anos de idade, me conduziu ao Senado Federal como o senador mais votado da história amapaense. (REPÓRTER) Entre os novos ocupantes das cadeiras do Senado, estão quatro que já estiveram na Casa. Um deles é João Alberto Souza, do PMDB do Maranhão, que foi senador entre 99 e 2007. Logo no primeiro ano no Senado, João Alberto foi o relator da CPI dos Bancos, que investigou irregularidades no sistema financeiro. No relatório final, ele propôs a devolução da ajuda de um bilhão e meio de reais que dois bancos receberam do governo durante a crise financeira de 99. (JOÃO ALBERTO) Nós estamos responsabilizando toda a diretoria do Banco Central pelo que aconteceu com o socorro aos bancos Marka e FonteCindam. Nós estamos pedindo ao Ministério Público que dentro da lei encontre a forma de ressarcir o Erário público o dinheiro desviado. (REPÓRTER) Os outros eleitos que retornam ao Senado são Itamar Franco, do PPS de Minas Gerais, que esteve na Casa entre 1975 e 1990; Roberto Requião, do PMDB do Paraná, senador de 1995 a 2002; e Blairo Maggi, do PR de Mato Grosso, que exerceu o mandato por alguns meses em 1999, como suplente de Jonas Pinheiro.
04/10/2010, 01h16 - ATUALIZADO EM 04/10/2010, 01h16
Duração de áudio: 02:41
Ao vivo
00:0000:00