Reforma da Previdência

Reforma da Previdência deve ser votada em dois meses, diz Alcolumbre

O presidente do senado, senador Davi Alcolumbre (DEM – AM) prevê que a reforma da Previdência (PEC 6/2019) deverá ser votada em dois meses. Mesmo calendário previsto pela presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado (CCJ), senadora Simone Tebet (MDB – MS). O senador Paulo Rocha (PT – PA) alerta que a oposição usará manobras regimentais para impedir a aprovação das novas regras de aposentadoria. Ouça mais detalhes no áudio da repórter da Rádio Senado, Hérica Christian.

16/07/2019, 13h43 - ATUALIZADO EM 16/07/2019, 15h06
Duração de áudio: 02:11
Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Transcrição
LOC: PRESIDENTE DO SENADO DIZ QUE REFORMA DA PREVIDÊNCIA DEVERÁ SER VOTADA EM DOIS MESES. MESMO CALENDÁRIO PREVISTO PELA PRESIDENTE DA CCJ. LOC: OPOSIÇÃO ALERTA QUE USARÁ MANOBRAS REGIMENTAIS PARA IMPEDIR A APROVAÇÃO DAS NOVAS REGRAS DE APOSENTADORIA. REPÓRTER HÉRICA CHRISTIAN (Repórter) Depois de aprovado o segundo turno na Câmara dos Deputados, no início de agosto, a Reforma da Previdência deverá ser votada em dois meses pelo Senado. Essa é a nova previsão feita pelo presidente da Casa, senador Davi Alcolumbre, do Democratas do Amapá. Segundo ele, apenas um acordo de líderes possibilitaria a votação na Comissão de Constituição e Justiça e em dois turnos no Plenário nos 45 dias, inicialmente estimados. (Davi Alcolumbre) Nós esperávamos que todos os líderes com espírito público pudéssemos construir um debate em torno da Reforma entre 45 dias e 60 dias. Ou seja, nós estamos harmonizados em relação aos prazos. (Repórter) Ao citar a votação também de uma PEC Paralela, que vai abrigar eventuais mudanças feitas pelos senadores, a exemplo da inclusão de estados e municípios na Reforma da Previdência, a presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Simone Tebet, do MDB de Mato Grosso do Sul, prevê pelo menos dois meses de discussão no Senado das novas regras de aposentadoria. (Simone Tebet) A PEC principal, eu acredito que em 45 dias no Senado é muito otimismo. Mas com 60 dias é um tempo confortável, agosto e setembro. E a PEC paralela pode estender um pouquinho para outubro a depender de uma reunião de líderes porque também os líderes podem querer votar concomitantemente, votar no mesmo dia as duas PECs. REP: Se depender da oposição, a Reforma da Previdência não será votada em dois meses no Senado, como antecipou o petista Paulo Rocha, do Pará. (Paulo Rocha) Ele fez os cálculos baseado no tempo regimental. Mas ele não está levando em consideração a discussão mais profunda nas Comissões, as audiências públicas, a obstrução. Nós vamos usar todos os instrumentos legais e regimentais para fazer com que não só se aprofunde o debate aqui no Senado, mas também que se dialogue com a sociedade. (Repórter) Ao chegar ao Senado, a Reforma da Previdência será discutida e votada na Comissão de Constituição e Justiça. O relator será o senador Tasso Jereissati, do PSDB do Ceará.

Ao vivo
00:0000:00