Audiência pública

CRE debate programa Codesul Fronteiras para mapear violência contra as mulheres

02:17CRE debate programa Codesul Fronteiras para mapear violência contra as mulheres

Transcrição LOC: A COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES DISCUTIU EM AUDIÊNCIA PÚBLICA O PROJETO CODESUL FRONTEIRAS. LOC: A IDEIA É MAPEAR A VIOLÊNCIA CONTRAS AS MULHERES NA FRONTEIRA DOS ESTADOS DA REGIÃO SUL E DE MATO GROSSO DO SUL. REPORTAGEM DE LÍVIA TORRES: TÉC: O projeto CODESUL fronteiras, apresentado em audiência pública no Senado, tem o objetivo de mapear e identificar todo e qualquer tipo de violência contra mulheres e meninas em regiões fronteiriças. O programa abrange as fronteiras dos estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul, que são membros do Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul. A representante do governo de Mato Grosso do Sul e da comissão de políticas para mulheres do CODESUL, Luciana Azambuja, comentou a necessidade de o programa abranger as fronteiras, pois essas regiões seguem na contramão de outras áreas que têm conseguido reduzir os índices de violência sexual e morte de mulheres. (Luciana Azambuja): “Um aumento dos casos de estupro, de crimes sexuais, enquanto no estado de Mato Grosso nós reduzimos 11%. Nessa linha de fronteira, desses 18 municípios aumento 8%. Nós tivemos, do ano passado para esse primeiro semestre um aumento muito grande dos casos de feminicídio. E quando nós falamos de porquê atuar exatamente na fronteira, são essas as razões que nos motivam” (Repórter): O senador Márcio Bittar, do MDB do Acre, lembrou que esses locais ainda são muito isolados, favorecendo a criminalidade contra mulheres e outros segmentos mais frágeis da sociedade. (Márcio Bittar): “Quanto mais a gente deixa essas regiões isoladas. Falta de economia, falta de ligação, estradas, ramais, segurança pública, integração nessa região mais categorias vulneráveis são mais atingidas. Além das mulheres que são mais fortemente atingidas, pode colocar nessa conta os idosos, os ribeirinhos, os índios, os extrativistas.” (Repórter): Patrícia D’Ávila, delegada de polícia, destacou que a cultura do machismo é o principal motivador para os casos de feminicídio: (Patrícia D’Ávila): “Não é a impunidade a mola propulsor desse crime. O que nós vemos é a questão do ódio, a questão do rancor, a questão da cultura do machismo e aqui a questão da propriedade daquele homem” (Repórter): Representantes do Uruguai, Paraguai e Bolívia, países que fazem fronteira os com estados brasileiros do CODESUL, acompanharam a reunião e falaram sobre as medidas para combater a violência em seus territórios. Sob supervisão de Maurício de Santi, da Rádio Senado. Lívia Torres.

A Comissão de Relações Exteriores (CRE) promoveu uma audiência pública para apresentar e debater o projeto CODESUL fronteiras, que tem o objetivo de mapear e identificar todo e qualquer tipo de violência contra mulheres e meninas nas fronteiras dos estados-membros do Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul: Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul. O senador Márcio Bittar (MDB-AC) comentou que as regiões de fronteiras precisam crescer economicamente e sair do isolamento, que favorece a violência contra as mulheres e também idosos e indígenas.

TÓPICOS:
Acre  Bolívia  Comissão de Relações Exteriores  CRE  Cultura  Desenvolvimento  Economia  Estados  Estupro  Feminicídio  Idosos  Mato Grosso  Mato Grosso do Sul  Municípios  Paraguai  Paraná  Região Sul  Relações Exteriores  Rio Grande do Sul  Santa Catarina  Segurança  Segurança Pública  Senador Márcio Bittar  Uruguai  Violência 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo