Comissões

CPMI das Fake News ouvirá representantes do Whatsapp, do Telegram e do Facebook

02:05CPMI das Fake News ouvirá representantes do Whatsapp, do Telegram e do Facebook

Transcrição LOC: OS PRIMEIROS REQUERIMENTOS APROVADOS NA CPMI DAS FAKE NEWS SÃO DE CONVOCAÇÃO A REPRESENTANTES DE EMPRESAS COMO WHATSAPP, TELEGRAM, FACEBOOK, TWITTER E INSTAGRAM. LOC: TAMBÉM SERÁ CONVIDADO PARA FALAR À CPMI UM REPRESENTANTE DO SITE “THE INTERCEPT” E A PROFESSORA DA UNIVERISIDADE FEDERAL DO CEARÁ LOLA ARONOVICH. A REPORTAGEM É DE RODRIGO RESENDE: TÉC: Representantes do Google, Facebook, Instagram, Telegram, Twitter, Whatsapp e Youtube serão os primeiros ouvidos pelos parlamentares da CPMI das Fake News. Deputados e Senadores da CPMI aprovaram os requerimentos de convocação e convites à essas empresas apresentados pela deputada Luizianne Lins, do PT do Ceará: (Luizianne): Quem primeiro tem que falar são exatamente os meios nos quais são transmitidas as supostas Fake News. Porque elas podem ser de atitude individual das pessoas mas como a gente aprende no jornalismo, são os meios que divulgam. Então hoje os meios principais são Whatsapp, Facebook, Instagram, Youtube, o Telegram. (REP) Contra os requerimentos, o senador Flávio Bolsonaro, do PSL do Rio de Janeiro, afirmou que a CPMI não apresenta fato determinado e que a convocação das empresas de comunicação é uma tentativa de criar um motivo para a existência do colegiado: (Flávio): Qual o fato determinado? Não existe! Na verdade o que está claramente visto aqui por qualquer um é que vão trazer aqueles que instrumentalizam as redes sociais ou os meio de conversa privado pra começar a buscar um fato determinado, se é que ele existe, e não está configurado aqui. (REP) Durante a reunião, a deputada Lídice da Mata, do PSB da Bahia, relatora da CPMI, apresentou seu plano de trabalho. Ela sugeriu audiências públicas, visitas externas e a criação de sub-relatorias para temas específicos como o cyberbullying e a privacidade dos dados. Para Lídice o foco deve estar no combate às Fake News que ameaçam o sistema democrático brasileiro: (Lídice): A Fake News e a ameaça à democracia no Brasil. A democracia é um valor, um valor que está colocado na constituição brasileira, foi uma opção do provo brasileiro na constituição de 88 optar pela democracia. (REP) Também foram aprovadas as vindas à comissão de um representante do site The Intercept e de Lola Aronovich, professora da Universidade Federal do Ceará que já foi alvo de ameaças nas redes sociais. As datas das audiências ainda serão definidas. Da Rádio Senado, Rodrigo Resende.

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito sobre Fake News vai ouvir representantes de empresas como o Whatsapp, Telegram, Facebook, Instagram e Google. A deputada Luizianne Lins (PT-CE) defende que ouvir as empresas é o primeiro passo para entender a magnitude das fake news no país. Para o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), a CPMI não tem fato determinado e a vinda de representantes das empresas é uma desculpa para se arranjar algo que possa ser investigado. A reportagem é de Rodrigo Resende.

TÓPICOS:
Bahia  Bolsonaro  CE  Ceará  Comunicação  Constituição  Democracia  Empresas  Jornalismo  PSB  PSL  PT  Redes Sociais  Rio de Janeiro  Senador Flávio Bolsonaro  Senadora Lídice da Mata  Trabalho  fake news  CPI  CPMI fake news 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo