CPI das Fake News

Empresário que trabalhou para Bolsonaro em 2018 diz desconhecer uso de fake news

02:21Empresário que trabalhou para Bolsonaro em 2018 diz desconhecer uso de fake news

Transcrição LOC: CPMI DAS FAKE NEWS OUVIU SÓCIO DA AM4 BRASIL INTELIGÊNCIA DIGITAL. LOC: A EMPRESA FOI RESPONSÁVEL PELA ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO DOS CANDIDATOS DO PSL NA CAMPANHA PARA AS ELEIÇÕES DE 2018. REPÓRTER REGINA PINHEIRO. (Repórter) O Deputado Rui Falcão do PT de São Paulo foi o autor do requerimento de convocação do Sócio da AM4, Marco Aurélio Carvalho. Rui Falcão cita matéria publicada pelo jornal Folha de São Paulo afirmando que a empresa AM4 fez disparos em massa de mensagens na campanha de Jair Bolsonaro, nas eleições de 2018, por meio da plataforma da empresa Yacows, Bulk Services. Conforme o Deputado, há suspeita de que a AM4 produziu e distribuiu Fake News na campanha de 2018. Rui Falcão ainda cita outra matéria da Folha alegando que os dados do sistema Bulk Services relativos à campanha de Bolsonaro foram deletados horas após a publicação do texto. Marco Aurélio Carvalho afirmou que o único disparo que a AM4 contratou da Yacows foi para informar os doadores da plataforma “Mais que voto” sobre a mudança do número de telefone para suporte, por meio da Bulk Services. (Marco Aurélio Carvalho) “Quando a gente atingiu 8 mil doadores a gente resolveu mudar o telefone de suporte. E aí, do nível operacional, essa não foi uma decisão estratégica, até pelo custo envolvido, mil 680 reais, no nível operacional. Uma funcionária nossa, que era gerente dessa atividade, que era a Taise Feijó, contratou, ela tinha alçada para isso, via internet, um serviço chamado Bulk Services. E, de fato, esse envio foi feito. O depoente da empresa falou o número errado, ele falou 900. Esse número tá errado. O número que foi enviado foi 8 mil, perdão, 9 mil 232.”. (Repórter) O Senador Humberto Costa, do PT de Pernambuco perguntou a Marco Aurélio se houve divulgação de Fake News na campanha eleitoral dos candidatos do PSL em 2018. (Humberto Costa) “É fato e as denúncias são várias e tudo isso comprovado de que houve um processo, não só de disparos em massa, mas de divulgação de notícias falsas. O senhor pode dizer como esse processo efetivamente se desenvolveu ou o senhor ignora completamente qualquer coisa que diga respeito à divulgação de Fake News nas campanhas, ou posteriormente? (Marco Aurélio Carvalho), com todo respeito, se fizeram, esconderam de mim.” (Repórter) Sobre os dados do sistema Bulk Services relativos à campanha de Bolsonaro que foram apagados, Marco Aurélio Carvalho argumentou que a AM4 só tomou conhecimento da exclusão dos arquivos a partir da matéria da Folha, negando que a sua empresa tenha eliminado os registros. Ele também informou que a AM4 não foi responsável pela comunicação pessoal do então candidato Jair Bolsonaro, em 2018. Marco Aurélio afirmou que o responsável era o Vereador Carlos Bolsonaro.

CPMI das Fake News ouviu sócio da AM4 Brasil Inteligência Digital, Marco Aurélio Carvalho. A empresa foi responsável pela estratégia de comunicação dos candidatos do PSL nas eleições de 2018. Marco Aurélio Carvalho afirmou não ter conhecimento a respeito da divulgação de Fake News durante a campanha. As informações na reportagem de Regina Pinheiro, da Rádio Senado.

TÓPICOS:
Bolsonaro  Campanha Eleitoral  Comunicação  Eleições  Inteligência  Internet  Marco Aurélio  Pernambuco  PSL  PT  São Paulo  Senador Humberto Costa  CPI  CPI das Fake News  Fake News 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo