Economia

Copom reduz Taxa Selic para 2,25% ao ano

02:07Copom reduz Taxa Selic para 2,25% ao ano

Transcrição LOC: COPOM REDUZ TAXA SELIC PARA 2, 25 % AO ANO LOC: TAXA ESTAVA EM 3% AO ANO DESDE O DIA 6 DE MAIO. PRÓXIMA REUNIÃO DO COMITÊ ESTÁ MARCADA PARA OS DIAS 4 E 5 DE AGOSTO. AS INFORMAÇÕES COM O REPÓRTER PEDRO PINCER: TÉC: O Banco Central diminuiu, pela oitava vez consecutiva, os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária reduziu a taxa Selic para 2,25% ao ano, com corte de 0,75 ponto percentual. Em comunicado, o banco informou que a redução dos juros decidida nas últimas reuniões é compatível com os impactos econômicos da pandemia do novo coronavírus e que, para as próximas reuniões, poderá haver um "ajuste residual" no estímulo monetário. No entanto, a manutenção da taxa em patamares reduzidos, no médio prazo, vai depender da trajetória dos gastos do governo no ano que vem, tendo em vista os altos investimentos em recursos para conter os efeitos da pandemia. Com a decisão, a Selic está no menor nível desde o início da série histórica do Banco Central, em 1986. O vice-presidente da Comissão de Assuntos Econômicos, senador Plínio Valério, do PSDB de Amazonas, comentou os efeitos da redução na economia. (Plínio) Me parece que é a primeira vez que o Brasil tem um juro real negativo em sua história. Isso não é pouca coisa, não. Por um lado é bom, porque reduz o capital especulativo, mas se a gente olhar pelo outro lado, isso indica o grande impacto negativo da pandemia na economia, que atravessa seu pior momento. (Rep) A expectativa de Plinio Valério é de que os consumidores sejam favorecidos com a nova taxa de juros. (Plínio) O que a gente espera, torce, reza é para que essa redução da taxa beneficie também o consumidor, por exemplo, com os juros do cartão de crédito. Com os juros do financiamento bancário, porque se isso não acontecer, não vai adiantar muito pra nossa população brasileira, não. (Rep) A redução da taxa Selic estimula a economia porque juros menores barateiam o crédito e incentivam a produção e o consumo em um cenário de baixa atividade econômica. No último Relatório de Inflação, o Banco Central projetava crescimento zero para a economia neste ano. No entanto, a previsão tinha sido feita antes do agravamento da crise provocada pelo coronavírus.

O Banco Central diminuiu, pela oitava vez consecutiva, os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a taxa Selic para 2,25% ao ano, com corte de 0,75 ponto percentual. Em comunicado, o banco informou que a redução dos juros decidida nas últimas reuniões é compatível com os impactos econômicos da pandemia do novo coronavírus e que, para as próximas reuniões, poderá haver um ajuste residual no estímulo monetário. A reportagem é de Pedro Pincer, da Rádio Senado.

TÓPICOS:
Amazonas  Banco Central  Comissão de Assuntos Econômicos  Consumidor  Coronavírus  Crédito  Economia  História  Inflação  Investimentos  Juros  Menores  pandemia  Política  PSDB  Senador Plínio Valério 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo