MP 870

Integrantes de movimentos sociais temem MP da reforma administrativa

02:36Integrantes de movimentos sociais temem MP da reforma administrativa

Transcrição LOC: REPRESENTANTES DE MOVIMENTOS SOCIAIS AFIRMAM QUE REIVINDICAÇÕES COMO A DEMARCAÇÃO DE TERRAS INDÍGENAS E A REFORMA AGRÁRIA PODERÃO SER PREJUDICADAS POR MEDIDA PROVISÓRIA DO GOVERNO. LOC: ELES PARTICIPARAM DE AUDIÊNCIA PÚBLICA EM COMISSÃO MISTA DO CONGRESSO NESTA TERÇA-FEIRA. A REPORTAGEM É DE FLORIANO FILHO. (Repórter) A medida provisória 870 foi a primeira editada pelo governo de Jair Bolsonaro. Ela reduziu os ministérios de 29 para 22. Também remanejou entidades públicas como o Instituto de Colonização e Reforma Agrária, o INCRA, e a Fundação Nacional do Índio, a Funai. Representantes desses e de outros segmentos sociais, como os quilombolas se sentiram prejudicados. Eles participaram nesta terça-feira de uma audiência pública na comissão mista que vai votar no Congresso a medida provisória. O assessor jurídico da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, Luiz Eloy Terena, afirmou que a nova estrutura administrativa do governo vai tornar mais difícil a demarcação de terras indígenas no país. (Luiz Eloy Terena) “Nós temos ainda um déficit muito grande de terras e territórios que ainda precisam ser regularizados”. (Repórter) O representante do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra, Francisco Del Chiavon, pediu que o enxugamento dos ministérios e a mudança dos órgãos públicos não atrapalhem a continuidade da reforma agrária de forma a diminuir a desigualdade social no Brasil. (Francisco Del Chiavon) “É um problema social, é um problema econômico. É um problema da estrutura agrária brasileira”. (Repórter) O relator da medida provisória na comissão mista, senador Fernando Bezerra, do MDB de Pernambuco, explicou que senadores e deputados apresentaram 545 emendas tentando alterar a MP. Muitas delas preveem a recriação de Ministérios e restauração de repartições públicas à situação anterior. Bezerra disse entender as reivindicações de movimentos sociais, mas afirmou que a reforma administrativa é legítima porque grande parte da população brasileira apoia uma redução da estrutura e dos gastos públicos. ( Fernando Bezerra) Sociedade brasileira que assistiu ao inchamento da máquina pública. Isso foi tema de campanha. (Repórter) O senador Fernando Bezerra deve apresentar o parecer no dia 7 de maio. A medida provisória vigora até o dia 3 de junho e, além de ser votada na comissão, ainda precisa passar pelos plenários da Câmara dos Deputados e do Senado. CMMPV 870/2019

Representantes de segmentos sociais como indígenas, trabalhadores sem-terra e quilombolas se sentiram prejudicados pela Reforma Administrativa do governo. Eles participaram nesta terça-feira (23) de uma audiência pública na comissão mista que vai votar no Congresso a Medida Provisória (MPV 870/2019) que reduziu o número de ministérios e remanejou entidades públicas. O relator da MP, senador Fernando Bezerra (MDB – PE), disse entender as reinvindicações de movimentos sociais, mas afirmou que a Reforma Administrativa é legítima porque grande parte da população brasileira apoia uma redução da estrutura e dos gastos públicos.

TÓPICOS:
Bolsonaro  Câmara dos Deputados  CMMPV  Funai  Incra  Indígenas  Medida Provisória  Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra  Movimentos Sociais  Pernambuco  Povos Indígenas  Quilombolas  Reforma Administrativa  Reforma Agrária  Senador Fernando Bezerra Coelho  PMDB 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11