Lei do Audiovisual

CE e CCT debatem a prorrogação de incentivos da Lei do Audivisual

02:32CE e CCT debatem a prorrogação de incentivos da Lei do Audivisual

Transcrição LOC: REUNIÃO CONJUNTA DAS COMISSÕES DE EDUCAÇÃO E DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DISCUTIU EM AUDIÊNCIA PÚBLICA A PRORROGAÇÃO DOS BENEFÍCIOS DA LEI DO AUDIOVISUAL. LOC: A LEGISLAÇÃO, QUE PREVÊ INCENTIVOS FISCAIS PARA QUEM INVESTIR EM PROJETOS AUDIOVISUAIS, TEM VALIDADE ATÉ O FINAL DESTE ANO. REPORTAGEM DE IARA FARIAS BORGES. (Repórter) Com faturamento anual de 44 bilhões de reais, o setor de audiovisual emprega mais de 330 mil pessoas, gera mais de dois bilhões de reais em impostos indiretos e vem crescendo cerca de 9% ao ano. O presidente do Sindicato Interestadual da Indústria Audiovisual, Leonardo Edde, ressaltou a importância do setor. (Leonardo Edde) “É uma indústria que gera receita para a alimentação, logística, passagens aéreas, hotelaria, enfim. Tem empresas desde microempreendedores até grandes grupos econômicos. Tirar um pouco a imagem negativa da cultura e tal e trazer a imagem positiva de indústria que gera emprego, gera renda, gera PIB”. (Repórter) Em 2017, o Tesouro deixou de receber 354 bilhões em incentivos fiscais. Deste montante, só 0,1% foi para a Lei do Audiovisual, informou o secretário-executivo da Ancine, Agência Nacional do Cinema, João Pinho. Ele defende a prorrogação dos incentivos por mais tempo. (Pinho, 8”): “Seria ideal que a gente fizesse uma prorrogação um pouco maior para que esse mercado tenha previsibilidade no uso do mecanismo e assim a gente pode fazer um estudo constante desta demanda”. (Repórter) Também defensor da prorrogação dos incentivos ao audiovisual, o vice-presidente da Comissão de Educação, senador Flávio Arns, da Rede sustentabilidade do Paraná, ponderou que é preciso fiscalizar a aplicação dos recursos. (Flávio Arns) “Não é só uma questão de incentivo, mas é um retorno importante em termos de impostos, de emprego, de visão de futuro. Ao mesmo tempo, claro, a gente tem que aprimorar os sistemas de controle, fiscalizar em conjunto com os órgãos de controle para que os recursos sejam adequadamente empregados”. (Repórter) O senador Marcos do Val, do Cidadania do Espírito Santo, contou que participou do filme Tropa de Elite e percebeu a grandeza do setor para a economia e inserção social. (Marcos do Val) “Eu não tinha como terminar e não virar um admirador, um fã incondicional das produções de cinema no Brasil. Eu sou totalmente favorável e vou brigar pela prorrogação da lei”. (Repórter) A pedido do senador Wellington Fagundes, do PR de Mato Grosso, a Comissão de Educação em conjunto com a de Ciência e Tecnologia voltarão a debater o tema, desta vez num seminário. REQ 17/2019 – CE REQ 12/2019 – CCT Lei 8.685/1993

A prorrogação dos incentivos fiscais da Lei do Audiovisual (Lei 8.685/1993) foi tema de audiência pública conjunta das comissões de Educação, Cultura e Esporte (CE) e Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT). O secretário-executivo da Agência Nacional do Cinema (Ancine), João Pinho, explicou que a indústria do audiovisual gera emprego, renda e desenvolvimento econômico. O presidente do Sindicato Interestadual da Indústria Audiovisual, Leonardo Edde, informou que o percentual de renúncia fiscal para o setor é de 0,1% do montante total concedido a todos os setores. O vice-presidente da CE, senador Flávio Arns (Rede-PR) defende a prorrogação dos benefícios, mas com controle da aplicação dos recursos. O senador Marcos do Val (Cidadania-ES) destacou o papel da indústria do audiovisual para inclusão social. Reportagem, Iara Farias Borges.

TÓPICOS:
Ancine  Audiovisual  CCT  CE  Ciência e Tecnologia  Cidadania  Comissões  Cultura  Economia  Educação  Emprego  Empresas  Espírito Santo  Indústria  Logística  Mato Grosso  Paraná  PR  Rede  Rede Sustentabilidade  Senador Flávio Arns  Senador Marcos do Val  Senador Wellington Fagundes  Sustentabilidade  Tecnologia  Comunicação  Desenvolvimento  Esporte  Inclusão Social 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11