CAS

CAS questiona existência de “vazio legal” que justifique manifestação do STF sobre aborto em caso de zika

02:26CAS questiona existência de “vazio legal” que justifique manifestação do STF sobre aborto em caso de zika

Transcrição LOC: O DIREITO DE ABORTO PARA GRÁVIDAS INFECTADAS PELO VÍRUS DA ZIKA DEVE SER JULGADO PELO SUPREMO EM MAIO, MAS A COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS DO SENADO QUER MAIS INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCESSOS QUE TRATAM DO ASSUNTO. LOC: OS PARLAMENTARES QUESTIONAM A EXISTÊNCIA DE “VAZIO LEGAL” QUE JUSTIFIQUE A MANIFESTAÇÃO DO JUDICIÁRIO EM TEMA QUE CABERIA AO CONGRESSO DEBATER. MARCELA DINIZ. (Repórter) Está marcado para 22 de maio o julgamento, pelo Supremo Tribunal Federal, da ação da Associação Nacional de Defensores Públicos que pede o direito de aborto para grávidas infectadas pelo vírus da zika, associado a casos de microcefalia. O senador Flávio Arns, da Rede Sustentabilidade do Paraná, quer que o Senado consulte o STF sobre esse e outros eventuais processos em análise na Corte que tratem do mesmo assunto. Na opinião do senador, não há “vazio legal” que justifique a atuação do Judiciário nesse tema: (Flávio Arns) Não há vazio legal; as hipóteses de aborto estão previstas na legislação: o perigo para a saúde, para a vida da mãe, e a gravidez decorrente de uma violência sexual contra a mulher. (Repórter) Para Flávio Arns, se houver necessidade de ampliar o rol de hipóteses de aborto legal, essa discussão deveria ser feita pelo Congresso Nacional. O senador citou estudo sobre a incidência de microcefalia em fetos para reforçar o argumento de que a infecção pelo vírus da zika não justificaria o direito ao aborto: (Flávio Arns) Somente 3% dos casos podem afetar a gestação da criança. E mesmo casos de microcefalia, você tem que avaliar bem porque têm pessoas com microcefalia que estão aí, independentes, casando, estudando, indo pra faculdade, coisas semelhantes. (Repórter) O colega de partido, senador Fabiano Contarato, do Espírito Santo, lembrou que o Supremo já acrescentou a hipótese de aborto em caso de fetos anencéfalos, decisão que, a seu ver, foi correta. Mas não concorda com outro debate que ocorre no STF, desde 2016, sobre a descriminalização do aborto até a décima segunda semana de gravidez: (Fabiano Contarato) Nós sabemos que, no Brasil, o principal bem jurídico que deve ser tutelado é a vida humana. Causa preocupação quando eu vejo o Supremo, e aí foi uma decisão da 1ªturma do STF, autorizar a interrupção do processo gestacional até o terceiro mês de gestação, independentemente da condição de saúde da vida humana intraútero. (Repórter) A Comissão de Assuntos Sociais aprovou o pedido para que o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, envie ofício ao presidente do STF, ministro Dias Toffoli, com a consulta sobre os processos que tratam do direito de aborto para grávidas com zika. REQ. 44/2019 – CAS

Está marcado para 22 de maio o julgamento, pelo Supremo Tribunal Federal, da ação que pede o direito de aborto para grávidas infectadas pelo vírus da zika, associado a casos de microcefalia. A Comissão de Assuntos Sociais aprovou pedido do senador Flávio Arns (Rede-PR) para que o Senado consulte o STF sobre esse e outros eventuais processos em análise na Corte que tratem do mesmo assunto. Na opinião do senador, não há “vazio legal” que justifique a atuação do Judiciário nesse tema. A reportagem é de Marcela Diniz.

TÓPICOS:
Aborto  CAS  Comissão de Assuntos Sociais  Congresso Nacional  Davi Alcolumbre  Dias Toffoli  Espírito Santo  Judiciário  Microcefalia  Paraná  Rede  Rede Sustentabilidade  Saúde  Senador Davi Alcolumbre  Senador Fabiano Contarato  Senador Flávio Arns  Supremo Tribunal Federal  Sustentabilidade  Violência  PR 

Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Brasília DF - CEP 70165-900 | Telefone: 0800 61 22 11
Ao vivo